André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Dilma: Não farei julgamento sobre Graça Foster

A presidente da República, Dilma Rousseff, voltou a defender a presidente da Petrobras, Graça Foster, e disse que é gravíssimo politizar a investigação sobre a compra da refinaria de Pasadena pela estatal. "Espero que não se faça política nesse assunto, mas espero mesmo que não se faça", disse em entrevista a jornalistas do Grupo RBS, transmitida nesta segunda-feira pela Rádio Gaúcha. "Primeiro porque a Petrobras é a maior empresa desse País. A Maria das Graças Foster tem méritos inequívocos. Não há dúvida disso e não é só a minha avaliação, são as avaliações de entidades internacionais e do próprio mercado."

GABRIELA LARA E CARLA ARAÚJO, Estadão Conteúdo

11 de agosto de 2014 | 18h17

Perguntada se Graça Foster poderia ser afastada do cargo caso o Tribunal de Contas da União (TCU) decidisse pelo bloqueio dos seus bens, Dilma revelou que é preciso tomar muito cuidado ao tratar dessa questão. "Eu não vou fazer nenhum julgamento sobre uma pessoa da qualidade da presidente Maria das Graças Foster baseada em avaliações que eu acho questionáveis", afirmou.

Na última quarta-feira, o relator do caso no TCU, ministro José Jorge, manifestou intenção de citar Graça Foster no processo que deverá investigar a responsabilidade dos gestores por prejuízos com a aquisição da refinaria de Pasadena. No entanto, o bloqueio dos bens da executiva foi retirado da pauta de votação do plenário do TCU após sustentação oral do Advogado-Geral da União (AGU), Luís Inácio Adams. O ministro preferiu adiar a análise do caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.