Dilma: não é 'concebível' ONU reformada sem o Brasil

A presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou hoje que o "apreço" sinalizado pelo presidente norte-americano Barack Obama à aspiração do Brasil de ter um assento permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) foi um reconhecimento ao papel do País.

LIEGE ALBUQUERQUE, Agência Estado

22 de março de 2011 | 16h44

Para Dilma, não é "concebível" o Brasil continuar sem um assento permanente no conselho da ONU. "Hoje, somos a sétima economia do mundo, amanhã seremos a quarta, quinta. Não é concebível uma ONU reformada sem o Brasil", afirmou. A presidente fez o comentário em uma entrevista coletiva após o lançamento do programa de Prevenção e Tratamento de Câncer de Colo de Útero e de Mama, em Manaus (AM).

Dilma disse ainda que o posicionamento do Brasil em relação à Líbia é o mesmo de sempre. "Somos a favor de uma solução pacífica e, diante do que está acontecendo, continuamos com nossa posição de cessar-fogo. Essa não é uma posição só nossa, é também da Alemanha, China e Rússia", comentou. Ontem, o Itamaraty pediu o fim dos ataques na Líbia "no mais breve prazo possível".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.