Dilma: Modernidade não é um calhamaço feito de papel

A presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) disse neste domingo (28) que um programa de governo moderno "não é um calhamaço de papel". Questionada sobre a razão de não ter apresentado a seis dias do primeiro turno um programa oficial de governo, Dilma rebateu: "Como não?", disse. "Você conhece a modernidade? A modernidade é o seguinte, a modernidade não é um calhamaço feito de papel, a modernidade são várias formas de comunicação. A mim interessa comunicar com o povo brasileiro que é quem vai votar nessa eleição", disse.

ELEIÇÃO/DILMA/PROGRAMA DE GOVERNO, Estadão Conteúdo

28 de setembro de 2014 | 20h45

A presidente voltou a afirmar que o alicerce de seu programa é o seu governo. "O documento é uma estrutura, é composto do alicerce que é: meu governo, as diretrizes e de todas as novas propostas. É isso que eu estou apresentando", disse.

Segundo Dilma, seu programa foi lançado por meio das entrevistas, do programa eleitoral e também na internet.

Depois de citar propostas que fazem parte de seu "virtual" programa de governo, como o Mais Especialidades, as 12 milhões de vagas a mais no Pronatec e medidas de combate à impunidade, Dilma voltou a alfinetar a candidata da oposição, Marina Silva (PSB), e repetiu que não vai mexer em direitos trabalhistas "nem que a vaca tussa" nem dar independência ao Banco Central ou enfraquecer o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). "Se tem alguém que tem proposta sou eu."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.