Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Dilma: Mapa da Fome revela 'momento especial' do País

"Eu considero que esse é um momento especial; acho que a minha geração toda sonhou com esse fato de tirar o Brasil do Mapa da Fome", comentou a presidente

RAFAEL MORAES MOURA E TÂNIA MONTEIRO, Estadão Conteúdo

16 de setembro de 2014 | 19h57

Ao comentar os resultados do Mapa da Fome 2013, apresentado nesta terça-feira, 16, em Roma pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês), a presidente Dilma Rousseff (PT) disse considerar que os dados apresentados revelam um "momento especial" por mostrar os avanços sociais registrados no País nos últimos anos.

"Eu considero que esse é um momento especial. Acho que a minha geração toda sonhou com esse fato de tirar o Brasil do Mapa da Fome. A minha geração e também as passadas", comentou. "O Brasil deve ficar feliz com o relatório da FAO."

O último relatório sobre segurança alimentar no mundo, apresentado nesta terça-feira pela FAO, tirou o Brasil do mapa mundial da fome. Desde 2012, apenas 1,7% da população brasileira pode ser considerada em situação de insegurança alimentar - em que não sabem se terão a refeição seguinte. Nos 22 anos contabilizados pela organização, uma redução de 84,7%, a maior do mundo.

"Eu acredito que uma característica principal da minha política econômica diante da crise internacional foi a defesa do emprego, do salário e da renda no Brasil. Esse fato é o fator decisivo para que nós não voltemos para o mapa da fome, assim como uma série de políticas, todas elas relacionadas à proteção social", disse Dilma.

"Esse 1,7% (proporção da população brasileira pode ser considerada em situação de insegurança alimentar) acho que é a maior demonstração de que o sonho de uma geração, de um país sem fome, sem miséria, ele está sendo realizado. Sempre achamos que o fim da miséria é só um começo porque estamos sempre atrás das populações (em situação de pobreza)", destacou a presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.