Dilma, Lula e familiares despedem-se de Alencar em BH

A presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, familiares e autoridades prestaram uma última homenagem ao ex-vice-presidente José Alencar em Belo Horizonte, nesta terça-feira

REUTERS

31 de março de 2011 | 15h30

Muito emocionado, Lula disse que José Alencar foi muito mais que um vice. "Ele era mais forte do que eu", afirmou Lula, no velório do ex-vice-presidente, no Palácio da Liberdade.

Alencar, vice de Lula de 2003 a 2010, morreu na terça-feira em São Paulo, aos 79 anos, de falência múltipla dos órgãos após 14 anos de luta contra o câncer.

A presidente Dilma chegou com Lula por volta de 11h50. Os dois ficaram cerca de uma hora no funeral, participaram de uma breve cerimônia religiosa e se reuniram em uma sala reservada com a família de Alencar. Entraram e saíram pelos fundos do Palácio e não participaram da cremação, prevista para as 15h, no Cemitério Parque Renascer, em Contagem.

Dilma ficou alguns minutos ao lado do caixão e disse uma única frase: "Nós todos sentimentos muito".

Também prestaram a última homenagem a José Alencar os presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara, Marco Maia (PT-RS), o senador tucano Aécio Neves, o ex-presidente Itamar Franco (PPS) e ministros de Estado.

"Alencar foi um grande construtor de pontes, aproximando pessoas, acima dos partidos políticos e da nossa posição de governo ou oposição", afirmou Aécio Neves. Segundo o senador, era Alencar o seu principal interlocutor com o governo federal nos oito anos em que foi governador de Minas.

O ministro mineiro Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, disse que perdeu "um grande amigo, um grande companheiro, um homem que lutou em toda sua vida pelo interesse nacional".

Vários empresários também compareceram ao velório. Entre eles, o presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

"Alencar teve uma importância enorme para o Brasil como empresário, como político. Estamos muito tristes, mas ele estava sofrendo muito", afirmou.

O corpo de Alencar já havia sido velado no Palácio do Planalto na quarta. Em Belo Horizonte, antes do velório houve um cortejo de 15 quilômetros entre o Aeroporto da Pampulha até a Praça da Liberdade e durou cerca de 40 minutos.

Com honras de chefe de Estado, o corpo do ex-vice-presidente foi transportado na mesma viatura oficial do Corpo de Bombeiros que levou o corpo do ex-presidente Tancredo Neves, morto em 1985 antes de tomar posse.

Segundo a Polícia Militar, cerca de 5 mil pessoas passaram pelo Palácio da Liberdade em pouco mais de três horas de velório.

(Por Aline Reskalla)

Mais conteúdo sobre:
POLITICAALENCARBH*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.