Dilma: Lei dos royalties é 'pacto' por educação e saúde

Na cerimônia de sanção do projeto de lei que destina os royalties do petróleo para a educação e para a saúde, aprovado pelo Congresso no mês passado, a presidente Dilma Rousseff disse que, apesar dos avanços na área educacional, ainda há muito por fazer. Lançando mão mais uma vez do discurso adotado após as manifestações de junho, Dilma afirmou que o projeto contempla dois pactos, o pela educação e pela saúde, que "são fundamentais".

RICARDO DELLA COLETTA E LAÍS ALEGRETTI, Agência Estado

09 de setembro de 2013 | 16h57

"Apesar do grande avanço, sabemos que é fundamental melhorar a qualidade do serviço que prestamos nessas duas áreas", afirmou. Em seu discurso, a presidente Dilma justificou a necessidade de se investir em educação citando um educador americano. "Ele disse: ''se você acha a educação cara, experimente a ignorância''. A frase mostra claramente o preço que se paga por não se ter educação para todos e educação de qualidade, e o mesmo vale para a saúde", disse a presidente, que acrescentou que não se pode economizar com a educação.

Para Dilma, a decisão "uniu as forças do nosso País, as forças políticas, sociais e econômicas". A presidente também disse que o Parlamento "inovou" ao propor a vinculação de 25% dos recursos do petróleo para a saúde. "É indiscutível a relevância dessa questão, que vai ao encontro a uma das principais questões da nossa sociedade. Meu governo tem feito um grande esforço para ampliar investimentos a saúde", disse. "Esses 25% (destinados para a saúde) são muito bem-vindos, sem recursos não há como prestar serviços de qualidade".

Tudo o que sabemos sobre:
royaltiessanção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.