Dilma inverteu ônus da prova no debate, avalia consultor

A grande novidade que surgiu do debate na noite desta terça-feira, 14, entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) foi que a presidente conseguiu inverter o ônus da prova e colocar o tucano na defensiva, segundo avalia Mário Marconini, diretor-presidente da consultoria Teneo.

ÁLVARO CAMPOS, Estadão Conteúdo

15 de outubro de 2014 | 10h38

"Havia uma expectativa de que Aécio seria mais agressivo, de que Dilma teria mais dificuldades. Mas houve um efeito surpresa, ela conseguiu inverter o ônus da prova e os mercados financeiros hoje estão reagindo a isso", diz.

Para Marconini, ao listar uma série de escândalos de corrupção envolvendo o PSDB, mesmo que sem nenhum fato novo, Dilma conseguiu relativizar os ataques contra as irregularidades na Petrobras, que é o seu maior "teto de vidro".

"Aécio saiu de lá com um monte de detalhes que ainda precisam ser explicados", afirma. O analista diz que o tucano precisa partir para um ataque frontal contra a administração Dilma, questionando o fracasso na política econômica e propondo avanços em programas sociais. "Não dá para ficar só se defendendo."

Mesmo com essa inversão bem-sucedida de Dilma, o diretor da Teneo acredita que o eleitor que estava indeciso saiu com ainda mais dúvidas após o debate de ontem. "Existe uma dicotomia clássica ente programas sociais e gerenciamento da economia", comentou.

Marconini aponta que ainda serão realizados mais três embates televisivos e Aécio terá chance de responder melhor às acusações de Dilma, que deve manter a tática de tentar desconstruir o rival, inclusive atacando a imagem de bom gestor dele durante o governo de Minas Gerais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.