Dilma insiste em plebiscito para reforma em carta ao PT

Presidente recusou convite para reunião e atribuiu ausência aos preparativos para a visita do papa Francisco

DAIENE CARDOSO E VERA ROSA, Agência Estado

20 de julho de 2013 | 12h21

A presidente Dilma Rousseff entregou na manhã deste sábado uma carta aos membros do Diretório Nacional do PT defendendo a realização de um plebiscito para a reforma política e reafirmando que o governo e o partido ouviram a voz das ruas. Dilma, que foi convidada para a reunião do partido, que é realizada em Brasília, atribuiu a ausência aos preparativos para a recepção do papa Francisco.

A carta foi entregue por um secretário particular da Presidência da República. No documento, de quatro páginas, Dilma diz que gostaria de estar presente ao encontro mas que a vinda do Papa "impõe deveres" aos não "pode faltar". Segundo fontes, Dilma ligou para dirigentes do partido manifestando preocupação com a segurança de Francisco e os últimos protestos no Rio.

Na carta a presidente diz aos militantes que ao longo desses anos ela e os correligionários superaram "os grandes desafios de governar este País" e que agora há o desafio de atender "os anseios que surgiram nas nossas ruas". "(as manifestações) exigem de nós a aceleração e o aprofundamento das mudanças que iniciamos há dez anos. Questionam, sobretudo, os limites e os graves problemas da nossa democracia representativa. Eles querem um novo sistema político, mais transparente, mais oxigenado e mais aberto a participação popular que só a reforma política balizada pela opinião das ruas, por meio de um plebiscito, pode criar", insistiu a presidente.

Segundo Dilma, desde o início da onda de protestos ela e o PT conseguiram compreender as demandas dos manifestantes. "Ouvimos as ruas porque nós viemos das ruas. Nos formamos no cotidiano das grandes lutas do Brasil. A rua é o nosso chão, a nossa base." De acordo com Dilma, seu governo não só ouviu as reivindicações como fez propostas concretas através de pactos para melhorar os serviços públicos e dar uma resposta às manifestações.

"Estamos trabalhando duro para atender as justas reivindicações que vêm das ruas", enfatizou a presidente, descrevendo os últimos encontros que teve com representantes de movimentos sociais e entidades. No final do documento, Dilma afirma que não haverá um País "efetivamente novo sem a presença transformadora do PT" e que ao lado do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva e da militância petista será possível "construir um Brasil melhor, muito melhor".

Tudo o que sabemos sobre:
Dilmaplebiscito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.