DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Dilma indica Janot para novo mandato à frente da Procuradoria-Geral

Sugestão da presidente foi publicada no Diário Oficial da União, mas ainda depende de apreciação do Senado

Luci Ribeiro, O Estado de S. Paulo

11 de agosto de 2015 | 10h41

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff formalizou, nesta terça-feira, 11, a indicação de Rodrigo Janot para continuar à frente da Procuradoria-Geral da República (PGR) por mais dois anos. Em mensagem publicada no Diário Oficial da União (DOU), Dilma cita "encaminhamento ao Senado Federal, para apreciação, do nome do senhor Rodrigo Janot Monteiro de Barros para ser reconduzido ao cargo de procurador-geral da República".

A indicação da recondução de Janot já havia sido anunciada pelo governo no último sábado. A confirmação foi dada pela presidente Dilma Rousseff pessoalmente ao procurador-geral em reunião oficial no Palácio do Alvorada, que contou com a presença do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. A presidente manteve a tradição iniciada no governo Luiz Inácio Lula da Silva de indicar o primeiro nome da lista apresentada pelo Ministério Público Federal, já que Janot foi o candidato mais votado em eleição realizada pelo órgão na semana passada. Ele obteve 799 votos, contra 462 do segundo colocado, o subprocurador Mario Bonsaglia.

A permanência do procurador-geral no posto ainda depende de sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e também de aprovação do Plenário da Casa, onde ele deverá enfrentar resistência por parte de alguns senadores, já que 13 são alvo de investigações da Lava Jato, conduzida por Janot junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). Na avaliação de alguns líderes no Senado, no entanto, o nome de Janot deverá ser aprovado, pois, na avaliação deles, uma eventual rejeição neste momento não seria boa para a imagem da Casa, pois poderia significar retaliação às investigações da Operação Lava Jato contra políticos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.