Dilma: imprensa livre é 'imprescindível' para democracia

Ao discursar na festa comemorativa do aniversário de 90 anos do jornal Folha de S.Paulo, na segunda-feira à noite, a presidente Dilma Rousseff afirmou que considera a imprensa livre "imprescindível" na construção das democracias e que os governos devem saber conviver com as críticas dos jornais. "No Brasil de hoje, com uma democracia tão nova, todos nós devemos preferir, um milhão de vezes, o som das vozes críticas de uma imprensa livre ao silêncio das ditaduras", assinalou. "Uma imprensa livre, plural e investigativa é imprescindível para um país como o nosso."

AE, Agência Estado

23 de fevereiro de 2011 | 12h02

Dilma discursou para uma plateia de quase 1.200 convidados, reunidos na Sala São Paulo, na região central da capital paulista. No início de seu discurso, ao saudar as autoridades e políticos presentes, mencionou o vice-presidente, Michel Temer, e, indo além do protocolo, saudou também o ex-governador José Serra (PSDB), com quem disputou a eleição no ano passado. Mais tarde, ao sair da festa, conversou rapidamente com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Dilma destacou em diferentes partes de seu discurso a importância, no regime democrático, da convivência das diferenças de opinião, da liberdade de crítica e do direito de se expressar e se manifestar. "A multiplicidade de pontos de vista, a abordagem investigativa e sem preconceitos dos grandes temas de interesse nacional constituem requisitos indispensáveis para o pleno usufruto da democracia, mesmo quando são irritantes, mesmo quando nos afetam, mesmo quando nos atingem", disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilmadiscursoimprensademocracia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.