FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Dilma grava entrevista para EBC neste domingo

Conversa foi marcada depois de liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) autorizando a volta do jornalista Ricardo Melo ao comando da Empresa Brasil de Comunicação (EBC); entrevistador será o jornalista Luiz Nassiff, que teve o seu contrato com a EBC, de R$ 761,58 mil por ano, suspenso por Laerte Rímoli, nomeado por Temer para o cargo recuperado por Melo

O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2016 | 18h32

BRASÍLIA - Depois da liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) autorizando a volta do jornalista Ricardo Melo ao comando da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), um novo imbróglio jurídico tomará conta da empresa a partir deste domingo, com a decisão do recém-retornado diretor de que a presidente afastada Dilma Rousseff seja entrevistada na TV Brasil, às 17 horas. O problema está em o entrevistador ser o jornalista Luiz Nassiff, que teve o seu contrato com a EBC, de R$ 761,58 mil por ano, suspenso por Laerte Rímoli, sido nomeado pelo presidente em exercício Michel Temer para comandar a estatal, afastado pelo ministro Dias Toffoli, do STF, na última quinta-feira. Para o Palácio do Planalto, a decisão de Ricardo Melo de autorizar a realização da entrevista por Nassif com Dilma deixará claro ao plenário do Supremo, quando for analisar a liminar, o propósito da "administração petista de usar a TV pública como palanque da presidente afastada".

Ricardo Melo foi nomeado uma semana antes de Dilma ser afastada pelo Senado e empossado dois antes antes de ela deixar o Planalto, para um mandato de quatro anos. Já na primeira semana de governo, Temer exonerou Melo e nomeou Laerte Rímoli para o cargo. O ex-presidente da EBC recorreu ao STF e, na quinta-feira, conseguiu uma liminar do ministro Dias Toffoli para retornar ao cargo. 

Na presidência da EBC, Rímoli por conta dos altos custos dos contratos assinados pela antiga gestão petista, que provocou um rombo na empresa de R$ 94,8 milhões, suspendeu vários dos contratos assinados este ano, aí incluindo o de Luiz Nassiff, que apresentava o programa semanal Brasilianas. Todos os contratos estão suspensos por 120 dias, para avaliação. 

Apesar de a EBC ter fechado o ano de 2015 com déficit de R$ 69 milhões e de ter havido queixas no Conselho administrativo pelos altos gastos com novos contratos, a então direção da empresa assinou outros que somaram mais de R$ 25 milhões. Também foram suspensos contratos de Sydney Resende, orçado em R$ 1,1 milhão ano, que incluem nele contratação de outros três funcionários, o de Paulo Markum, de R$ 575 mil/ano e o de Paulo Moreira Leite, de R$ 520 mil/ano, entre outros. Também está sendo realizada uma auditoria interna sobre os contratos de transmissão de jogos de futebol das séries C e D, de R$ 2,88 milhões e outros campeonatos de R$ 17,8 milhões. 

A administração Ricardo Melo explicou que Nassif virá a Brasília para fazer a entrevista com Dilma como "colaborador eventual" da EBC, já que o seu contrato está suspenso. Não há decisão, no entanto, de quando a entrevista vai ao ar. A nova gestão informou ainda que o fato de Nassif vir fazer a entrevista não representa nenhum descumprimento à suspensão do contrato e que os atos assinados durante a gestão de Rimoli, só serão revisados a partir de segunda-feira. As passagens para Nassif vir a Brasília estão sendo pagas pela EBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.