Divulgação
Divulgação

Na Paraíba, Dilma garante transposição do Rio São Francisco

'Não iremos de maneira nenhuma paralisar as obras', disse a presidente quatro dias após encaminhar Orçamento deficitário ao Congresso

Valmar Hupsel Filho, enviado especial e André ítalo Rocha, O Estado de S. Paulo

04 de setembro de 2015 | 20h21

João Pessoa - Quatro dias depois de encaminhar ao Congresso proposta orçamentária com previsão de déficit de R$ 30,5 bilhões, a presidente Dilma Rousseff garantiu a continuidade das obras de transposição do rio São Francisco e afirmou que pretende entregar a obra o mais rápido possível.

"Não iremos de maneira nenhuma paralisar as obras do Rio São Francisco", disse a presidente ao participar de uma exposição do programa Dialoga Brasil na cidade de João Pessoa (PB). Em seu discurso, a presidente disse que é um "orgulho e um compromisso" entregar as obras o mais rápido possível, e afirmou que "a transposição ainda leva todo o ano que vem para ficar pronta". "Foi preciso que um nordestino, retirante, chegasse ao poder para que tivessemos este programa", completou. 

Ao longo de sua fala, Dilma fez um apelo pela preservação da democracia no Brasil. "É preciso respeitar as instituições, é preciso respeito ao voto popular. O voto popular é a base da democracia no País", afirmou. Para Dilma, o Brasil é um país "tolerante pela própria natureza".

A presidente também ressaltou os avanços sociais do País nos últimos anos e disse que todos os brasileiros precisam ter as mesmas oportunidades. "Nós trabalhamos muito para reverter a história da desigualdade no Brasil, que desde a escravidão pesa sobre uma parte dos brasileiros", declarou.

Pela manhã, a presidente esteve em Campina Grande, também na Paraíba, para participar da cerimônia de entrega de 1.948 residências do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida. À tarde, reuniu-se com empresários paraibanos, já em João Pessoa.   

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffParaíbaDialoga Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.