Dilma faz visita tumultuada na região metropolitana de MG

Mal tempo fez com que coordenação de campanha cogitasse cancelar visita da candidata à cidade

Marcelo Portela, de O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2010 | 18h58

RIBEIRÃO DAS NEVES, MG -  Uma tumultuada carreta organizada às pressas, sem contato direto com o eleitorado, marcou a passagem da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, por Ribeirão das Neves, uma das cidades com os piores indicadores sociais da região metropolitana de Belo Horizonte. A visita ao município estava prevista na agenda da petista e uma estrutura foi montada no centro da cidade para recebê-la. Mas, no início da tarde, quando ela ainda estava na capital mineira, a coordenação de campanha anunciou que o compromisso seria cancelado e todo o aparato foi desmontado e a militância, desmobilizada.

 

A justificativa era de que o mal tempo em Belo Horizonte impedia a decolagem do helicóptero que levaria a candidata. No fim da tarde, as condições climáticas melhoraram e a agenda foi retomada. Porém, a maior parte da militância que esperaria Dilma em Ribeirão das Neves já havia deixado o local marcado para a concentração e teve que ser reconvocada às pressas.

 

Dilma chegou às 17h ao município, onde participou de uma carreta de que percorreu 1,2 quilômetro durante meia hora. Em seguida, ela deixou a cidade, sem fazer discurso, dar entrevistas ou mesmo fazer corpo a corpo com os eleitores. Na carreata pelas principais ruas do centro da cidade havia uma longa fila de veículos.

 

Porém, apenas 14 tinham indicativo de participar diretamente do evento. Em 12 deles havia militantes com bandeiras e os demais eram uma caminhonete que levava fotógrafos e cinegrafistas e outra na qual Dilma seguia, acompanhada do candidato derrotado ao Senado pelo PT mineiro, Fernando Pimentel, do presidente do diretório estadual do partido, deputado federal Reginaldo Lopes, e de outros parlamentares da legenda. Como as vias do município são estreitas, todo o tráfego tinha que seguir atrás da comitiva.

 

Segundo a assessoria da candidata, havia um palanque montado na praça no centro de Neves, onde inicialmente estava previsto que Dilma discursasse. Mas, com o anúncio do cancelamento no início da tarde, a estrutura foi desmontada. O horário, segundo a assessoria, também prejudicou o evento, já que Dilma tinha horário marcado para deixar Belo Horizonte.

 

Mesmo assim ela foi convencida pela coordenação da campanha em Minas a ir ao município. De acordo com a vice-prefeita de Neves, Bárbara Leite (PDT), há uma mobilização em torno da campanha presidencial petista na cidade. Segundo Bárbara, que é evangélica, um dos principais focos será o trabalho nas igrejas, por da perda de votos no primeiro turno que teria sido causada pela liberalização do aborto - que a candidata afirmou ser contra durante a visita à capital - defendida pelo programa do PT. "Vamos mudar essa imagem", afirmou a vice-prefeita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.