Dilma faz discurso emocional para selar aliança PT-PDT

A pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, fez um discurso de apelo emocional hoje para a militância nacional do PDT, partido que formalizou neste sábado seu apoio à ex-ministra durante Convenção Nacional, realizada em São Paulo. Ex-pedetista, Dilma citou personagens históricos do partido, como o antropólogo Darcy Ribeiro, os ex-presidentes João Goulart e Getúlio Vargas, além do ex-governador Leonel Brizola, relacionando-os às conquistas democráticas da história recente do País. "Somos a continuidade desse processo histórico", pontuou.

MICHELLY CHAVES TEIXEIRA E ANA CONCEIÇÃO, Agência Estado

12 de junho de 2010 | 14h45

Em busca da empatia dos militantes, a presidenciável relacionou as trajetórias de PDT e PT. "Hoje concretizamos esta aliança. De um lado, temos a tradição democrática dos movimentos sociais e sindicais que carrega o PT. De outro lado, a gente tem a tradição de luta contra o golpe, de afirmação da soberania do nosso País, a tradição na luta pela educação levada pelo Partido Democrático Trabalhista", afirmou.

Em suas homenagens a líderes pedetistas, Dilma destacou o nome de Darcy Ribeiro como um líder que não só teve "uma imensa lucidez política", mas também foi um "grande idealizador". O ex-presidente Getúlio Vargas também foi homenageado pela pré-candidata petista. "Já houve quem disse que era necessário virar a página do getulismo. Não se vira a página de quem nos deixou a Petrobras, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), o salário mínimo e a proteção aos trabalhadores", pontuou a ministra.

As homenagens de Dilma também alcançaram o ex-presidente João Goulart. "Ele propôs uma coisa muito atual: o progresso com justiça e o desenvolvimento com mais igualdade". Leonel Brizola foi mencionado como o "homem que lutou para adiar o golpe de 64", foi perseguido, "mas voltou ao Brasil para ajudar a construir no País a democracia".

Segundo ela, "desenvolvimento com distribuição de renda" deve ser o modelo de crescimento para o Brasil. "O Brasil caminha aceleradamente para se transformar num dos países mais desenvolvidos do mundo. Mas chegaremos a isso não só por conquistas econômicas, mas sobretudo se o nosso povo for capaz de sair das condições de pobreza."

Tema recorrente nos discursos da ex-ministra, a educação foi novamente um dos pontos de destaque de sua fala. Ela disse que o pedetista Brizola sempre considerou a educação como uma forma de emancipar o povo e ressaltou que um país desenvolvido se constrói com ensino de qualidade. "Estamos trabalhando para isso", comentou. Ao encerrar seu discurso e registrar, uma vez mais, a aliança entre PT e PDT, o ministro do Trabalho e presidente licenciado do PDT, Carlos Lupi, puxou o bordão "Brasil urgente, Dilma presidente".

A presidenciável estava acompanhada do pré-candidato ao governo de São Paulo, Aloizio Mercadante (PT), dos pré-candidatos ao Senado Marta Suplicy (PT) e Netinho (PCdoB) e do presidente Nacional do PT, José Eduardo Dutra. A ex-ministra saiu da Convenção sem dar declarações à imprensa. Ela seguiu direto para Brasília, onde participa, nesta tarde, da Convenção Nacional do PMDB.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesDilmaPDT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.