RICARDO STUCKERT/INSTITUTO LULA
RICARDO STUCKERT/INSTITUTO LULA

'Dilma faz agora o que deveria ter feito em novembro', diz Lula sobre reforma ministerial

Ex-presidente afirma a petistas que sucessora deve mostrar à população que reforma ministerial não é 'toma lá dá cá'

Ricardo Galhardo e Elizabeth Lopes, O Estado de S. Paulo

30 de setembro de 2015 | 14h26

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira, 30, à executiva nacional do PT que a presidente Dilma Rousseff deveria ter feito antes, logo depois da eleição, a recomposição do ministério que será anunciada amanhã, na qual partidos aliados como o PMDB terão mais espaço no governo. Hoje, a presidente definiu a saída de Aloizio Mercadante da Casa Civil.

“Dilma está fazendo agora o que deveria ter feito em novembro”, disse Lula, segundo relatos de participantes da reunião.

O ex-presidente também voltou a defender mudanças na política econômica com o objetivo de reaproximar o PT de sua base histórica, descontente com os cortes orçamentários e o ajuste fiscal promovidos pelo governo.

De acordo com petistas que participaram do encontro, Lula sugeriu que o governo adote em médio prazo uma política de estímulo ao consumo com aumento do crédito com abertura de linhas de crédito do BNDES para empresas.

Segundo participantes da reunião, Lula disse ainda que somente a reforma ministerial não basta para o governo retomar a estabilidade política. Conforme relatos, o ex-presidente acredita que Dilma precisa adotar um discurso que explique à população que a reforma não é apenas um toma lá dá cá com objetivo de barrar os pedidos de impeachment apresentados ao Congresso. Mais do que isso, a presidente teria de mostrar que a reforma ministerial representa uma nova fase do governo, com Dilma à frente das articulações que vão levar a uma saída para a crise política e econômica instalada desde o início do segundo mandato.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.