Divulgação
Divulgação

Dilma faz aceno à militância e escolhe ministros que agradam a Lula e ao PT

Presidente leva para a Educação professor da USP simpático à esquerda, mas sem filiação partidária, e indica ex-tesoureiro de campanha para a Comunicação Social; antecessor deu aval à nomeação do novo responsável pela verba de publicidade

Rafael Moraes Moura, Lisandra Paraguassu e Ricardo Della Coletta, O Estado de S. Paulo

27 de março de 2015 | 18h43


Atualizado às 22h11

Brasília - No momento em que o governo enfrenta resistências da base aliada para emplacar o ajuste fiscal no Congresso, a presidente Dilma Rousseff decidiu nesta sexta-feira, 27, fazer um aceno ao PT. Nomeou para a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) o ex-deputado estadual petista Edinho Silva, tesoureiro da campanha presidencial em 2014; e para o Ministério da Educação (MEC) o professor de ética e filosofia política da USP Renato Janine Ribeiro, nome simpático à legenda. 

Em outro movimento, sinalizou ao PMDB, partido que tem imposto as principais derrotas ao governo no Legislativo, que vai nomear para o Ministério do Turismo o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (RN), conforme antecipou o Estado na quarta-feira. 

O novo ministro da Educação já vinha cuidando da transição na pasta com auxiliares do MEC nos últimos dias. Ele foi um dos primeiros nomes especulados para assumir a Educação quando se revelou a intenção da presidente de optar pelo perfil de um educador para a pasta, em vez de um político. Janine vai substituir o ex-governador do Ceará Cid Gomes (PROS), que deixou o governo após dizer que a Câmara tinha “300, 400 achacadores”.

O PT – que não esconde a insatisfação com a escolha de parte do primeiro escalão de Dilma, como as nomeações de Kátia Abreu para a Agricultura e Joaquim Levy para a Fazenda – recebeu bem a escolha de Janine, intelectual com ideias alinhadas à esquerda. Em artigos recentes, o professor da USP apontou problemas do atual governo e da própria Dilma, como a propensão à falta de diálogo, mas fez ponderações sobre críticas baseadas “na raiva e nos insultos”, e não na mobilização política. 

O nome também foi respaldado pelo ex-presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, que ainda lembrou da indicação que falta para ocupar a vaga deixada por ele na Corte. "Boa escolha: Renato Janine Ribeiro, ministro da Educação. Oxalá alguém de igual calibre e estatura moral seja escolhido para o STF!", disse em seu Twitter.

Na terça-feira, em artigo no jornal Folha de S. Paulo, Janine analisou os protestos contra o governo. “Há uma reação tola: não quero saber do preço. Um dos modos dessa reação é carimbar um culpado bem afastado de nós. O PT cumpre hoje esse papel de demônio, que já foi de Getúlio Vargas. Assim se afasta de nós esse cale-se. Somos poupados. As manifestações do dia 15 de março, legítimas na medida em que ‘tem razão quem se revolta’ (mas alguma razão, não toda), caíram no engodo de construir um Outro demoníaco, aquele que acabou com o que era doce”, escreveu.

Uma semana antes, no jornal Valor Econômico, Janine questionou se é possível governar o País com competência e honestidade simultaneamente. “E se Dilma for representativa de nosso desejo difuso de uma política competente e sem corrupção? Ela se irrita, sim, com quem está a sua volta, o que é politicamente inábil, mas isso porque cobra eficiência”, afirmou. “Pode até governar mal, só que detestando a corrupção e a ineficiência. Mas basta detestá-las para superá-las?”

‘Batalha’. Na Secom, a escolha por Edinho Silva marca uma maior influência do PT sobre a “batalha da comunicação” pretendida pelo Planalto para recuperar a popularidade de Dilma. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva respaldou a indicação. 

Edinho vai substituir o jornalista Thomas Traumann, que deixou o cargo após o Estado revelar documento interno que apontava uma “comunicação errática” do governo em meio a um “caos político”. O PT defendia um perfil político para o cargo e cobrará do ministro “democratização” da publicidade oficial. Setores da sigla questionam os gastos com anúncios na grande imprensa, por considerá-la “oposicionista”, e pregam mais repasses a veículos regionais, “progressistas” e “alternativos”.

“Nenhum governo pode menosprezar o peso das grandes empresas (de comunicação). Mas não podemos abandonar os pequenos veículos de comunicação”, disse o coordenador da corrente majoritária do PT, Construindo um Novo Brasil (CNB), Francisco Rocha, o Rochinha. 

Edinho já presidiu o diretório paulista do PT e foi o tesoureiro da campanha de Dilma à reeleição. O plano original da presidente era escalar Edinho para a Autoridade Pública Olímpica (APO), consórcio formado pelos governos federal e fluminense e pela prefeitura do Rio, que coordena as ações da Olimpíada de 2016. O cargo está vago desde fevereiro, mas o Planalto desistiu da indicação por temer o risco de o Senado rejeitar o nome do petista como retaliação ao governo.

Edinho também fez análises recentes sobre a atual conjuntura. Em carta aberta de 10 de março, disse que PT e governo formam um binômio e “engana-se quem pensa que um superará esse momento sem o outro”, além de apontar problemas da legenda. “Há, sim, erros no nosso campo político. Nunca na nossa história assimilamos com tanta facilidade o discurso oportunista de uma direita golpista e nunca estivemos tão paralisados.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.