Dilma fará ?dobradinha improvisada? com nova ministra

O apelido de "ministro por enquanto" atribuído por assessores diretos da presidente Dilma Rousseff a Luiz Sérgio, titular das Relações Institucionais, mostra que o problema da articulação do governo com o Congresso não foi resolvido com a mudança de nomes na cozinha do Palácio e que o deputado petista deverá ser trocado em breve.

TÂNIA MONTEIRO, LEONENCIO NOSSA E DENISE MADUEÑO, Agência Estado

08 de junho de 2011 | 00h03

Com a queda de Antonio Palocci, a presidente e a nova ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, farão uma dobradinha improvisada na articulação política. A partir de agora, Dilma reservará boa parte da agenda para encontros e conversas com parlamentares. E prometeu, durante almoço com senadores do PTB, que os chamará logo para tratar de demandas por cargos.

É uma solução provisória, segundo assessores da Presidência. A aversão conhecida de Dilma ao varejo político e o perfil mais técnico de Gleisi não servem para reconstruir a relação do Planalto com o Congresso. Por isso, a coordenação política a cargo da dupla Dilma/Gleisi deverá ser breve. A presidente está atrás de um nome de peso que possa exercer a coordenação política, a exemplo do ex-deputado José Múcio Monteiro (PE), que recebia entre 40 e 60 parlamentares por dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.