Dilma exalta ação do Pronatec no Café com a Presidenta

Os dois anos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) foram comemorados nesta segunda-feira, 07, pela presidente Dilma Rousseff. "O Pronatec é um sucesso, ele é um marco na história da formação profissional e da educação no nosso País, está mudando a vida de muita gente. Até agora, 4,6 milhões de pessoas já fizeram ou estão fazendo um dos cursos oferecidos pelo Pronatec em todo o Brasil", citou hoje Dilma no programa semanal de rádio "Café com a Presidenta". Neste mês de outubro, o Pronatec completa dois anos.

AYR ALISKI, Agência Estado

07 de outubro de 2013 | 12h29

Dilma explicou que o programa opera sob três eixos. O primeiro envolve a oferta de ensino técnico para quem está cursando o Ensino Médio. O segundo eixo opera com oportunidades de qualificação profissional para o jovem ou o adulto que deseja uma melhor formação profissional. O terceiro oferece cursos para as pessoas que estão no programa Brasil sem Miséria conseguirem uma profissão e conquistarem um trabalho melhor remunerado. "Estamos formando profissionais para encarar o mercado de trabalho que exige cada vez mais qualificação", disse Dilma.

A presidente alertou que o governo está também focado na formação de pessoas que querem abrir ou ampliar seu pequeno negócio. "Um país só se desenvolve quando seus trabalhadores são capazes de ter um trabalho qualificado", disse. "Estamos trabalhando firme e vamos cumprir a nossa meta de matricular 8 milhões de alunos até o final de 2014". Todos os cursos são gratuitos, ressaltou Dilma. De acordo com a presidente, o governo está investindo R$ 14 bilhões no Pronatec até o final de 2014.

O Pronatec oferece dois tipos de curso: há cursos técnicos de maior duração, que variam, em média, de um ano e meio a dois anos; e os cursos complementares ao Ensino Médio, de qualificação profissional e de curta duração, até seis meses. Ela lembrou que, até agora, mais de 3,1 milhões de pessoas já se matricularam nesses cursos que duram até seis meses. Os mais procurados, ressaltou Dilma, são os de operador de computador, de eletricista, instalador predial, costureiro, pintor, pedreiro, mecânico, desenhista, soldador, Luciano, torneiro mecânico, ferramentista, auxiliar administrativo, recepcionista, funcionário de hotelaria, balconista, modelista, operador de caixa e costureira industrial. Dilma citou, ainda, que há fatia de um milhão de vagas no Pronatec reservada para os beneficiários do "Brasil sem Miséria".

Dilma argumentou que nos países desenvolvidos, a qualidade do ensino técnico de nível médio "faz diferença e ele é extremamente valorizado". Segundo a presidente, na Alemanha, para cada um universitário, formam-se dez técnicos de nível médio. "Daí a qualidade dos produtos alemães quando se trata de máquinas e de equipamentos de alta precisão", justificou. De acordo com a presidente, mais de 1,5 milhão de jovens já se inscreveram no ensino técnico de nível médio. Os mais procurados são o de técnico em mecânica, eletrônica, eletrotécnica, técnico agrícola, movimentação de cargas, técnico em segurança do trabalho, em informática, enfermagem, radiologia, em logística, técnico em edificações e em automação industrial.

Os cursos do Pronatec com duração de até dois anos são ministrados nos institutos federais de educação e também nas escolas estaduais. "O meu governo está fazendo um grande investimento para ampliar a rede de ensino técnico no País. Até agora, só na expansão da rede federal de ensino técnico, já investimos R$ 2,7 bilhões", afirmou Dilma. Ela disse que trabalha como meta de criar 208 novas escolas técnicas, em todo o Brasil. "Dessas escolas, 92 já estão em funcionamento. Nós estamos também investindo nas escolas técnicas estaduais. Essas escolas técnicas estaduais receberam do governo federal quase R$ 1 bilhão para se modernizar e ampliar a oferta de vagas", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Café com a PresidentaPronatec

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.