Dilma está tendo performance extraordinária, diz Lula

Em entrevista na capital da Tanzânia, presidente afirma que candidata não precisará muito dele

Leonencio Nossa, enviado especial / DAR ES-SAALAM, TANZÂNIA, Agência Estado

06 Julho 2010 | 16h29

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta terça-feira, 6, que a sua candidata à sucessão, Dilma Rousseff (PT), amadureceu e está tendo uma performance "extraordinária". "Há quatro meses, eu disse que, se a minha candidata tivesse dificuldades, eu faria um esforço maior. Não é o que está acontecendo".

Em entrevista concedida na capital da Tanzânia, na África, ele disse que Dilma não precisará muito dele. "Qualquer entendedor de política sabe que ela está tendo uma performance acima da expectativa pelo tempo de campanha", disse. "Portanto, acho que ela vai precisar menos de mim".

Lula voltou a negar que tenha pensado, meses atrás, em se licenciar do cargo para participar da campanha de Dilma. "Acho que não era possível. Se um dia eu tivesse pensado em me afastar da Presidência para fazer campanha, eu me afastaria para ser candidato a alguma coisa", disse. "Seria leviandade achar que a gente abdicaria de um dia do mandato de presidente para se dedicar a alguma coisa inferior".

De acordo com a última pesquisa Ibope, divulgada no final de semana, o tucano José Serra voltou a crescer nas intenções de voto e apareceu empatado na corrida presidencial com a petista Dilma Rousseff. Os dois candidatos têm 39% das intenções de voto, segundo a pesquisa. O levantamento também aponta empate entre os dois na simulação de segundo turno, quando Serra e Dilma aparecem com 43% das intenções de voto.

Nesta terça, ao chegar à Tanzânia, Lula foi recepcionado pelo presidente Jakaya Kikiwete e por grupos de danças nativas no aeroporto da capital. Lula foi surpreendido por um dos dançarinos que fez uma performance com uma cobra. Durante a apresentação, o dançarino colocou a cobra dentro da própria calça, levando o presidente a rir.

Mais conteúdo sobre:
eleição Dilma Rousseff Lula campanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.