Dilma elogia Haddad em inauguração de creche no RJ

De saída da pasta da Educação para disputar a prefeitura de São Paulo pelo PT, o ministro Fernando Haddad transformou-se hoje no centro de uma sessão de elogios à sua gestão capitaneados pela presidente Dilma Rousseff durante inauguração de uma creche no pequeno distrito de Bracuí, no município de Angra dos Reis, na Costa Verde fluminense.

WILSON TOSTA, ENVIADO ESPECIAL, Agência Estado

18 de janeiro de 2012 | 18h02

"Grande ministro" e "melhor ministro da Educação do período democrático" foram algumas da expressões que marcaram os discursos de Dilma e do governador aliado Sérgio Cabral Filho (PMDB), que comparou o petista a educadores como Anísio Teixeira e Gustavo Capanema. O próprio Haddad, em seu rápido pronunciamento, fez um breve - e positivo - balanço da sua gestão e bateu em uma possível bandeira de campanha: a da igualdade de oportunidades.

"O ministro Fernando Haddad, um dos grandes ministros deste País na área da Educação, viu que a educação tinha de começar e tinha de ter importância desde a criança nascer. Quando ele cunhou a frase de que a educação é um projeto da creche à pós-graduação, passando pelo ensino básico, pelo ensino técnico, pela universidade e pela pós, ele cunhou uma coisa importantíssima para o Brasil, que é o caminho da igualdade de oportunidades", discursou Dilma.

A presidente se atrasou uma hora e meia para a cerimônia, por causa do mau tempo em Brasília, mas voou mais de mil quilômetros para inaugurar o Centro Municipal de Educação Infantil (CEMEI) Júlia Moreira da Silva. Em seu discurso, Dilma disse agradecer a Haddad por "jamais ter falado" nem que é melhor apostar apenas no ensino superior ou somente na educação básica.

Haddad reconheceu em seu discurso que já existem mais de 500 creches semelhantes, entregues pelo ministério que comanda, e "agradeceu o gesto" de Dilma comparecer à inauguração. "Eu não tinha tido a felicidade de visitar um equipamento em funcionamento", disse. O ministro afirmou que as creches atenderão 1,5 milhão de crianças de zero a 5 anos de idade, "que terão direito à educação desde a primeira infância". Citou em seguida medidas de sua gestão em outros níveis do setor, mas lembrou a "dívida" do governo com a educação infantil (creche e pré-escola). No discurso, também citou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que o nomeou ministro e recentemente impôs a pré-candidatura de Haddad ao PT paulistano.

"É cuidando desde cedo que a gente tem condição de garantir igualdade de oportunidades para todos os brasileiros", afirmou. "O que queremos é que todo jovem brasileiro tenha direito a pelo menos uma de duas oportunidades: ensino técnico no nível médio ou ensino superior.

Cabral manifestou "tristeza" pela saída próxima de Haddad. Depois de citar Teixeira e Capanema, afirmou que "uma coisa é ser ministro do Estado Novo (ditadura de Getúlio Vargas de 1937 a 1945), outra é ser ministro de Estado com instituições, como imprensa e Ministério Público, livres. "(Haddad) É o melhor ministro (da Educação) em período democrático. É o melhor ministro da Educação que o Brasil já teve." Dirigindo-se ao petista, afirmou: "Aqui no Rio, você tem 16 milhões de admiradores."

Mais conteúdo sobre:
DilmaeducaçãoHaddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.