Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Dilma e Temer têm encontro reservado no Planalto

Os dois estiveram juntos no final da tarde, antes de o vice participar de um jantar com governadores do PMDB no Palácio do Jaburu

Tânia Monteiro e Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

08 de setembro de 2015 | 20h11

Brasília - Mesmo diante dos sinais cada vez mais claros de afastamento do vice Michel Temer, a presidente Dilma Rousseff procurou nesta segunda-feira, 8, o peemedebista para conversar e tentar alinhar o discurso entre eles. Os dois estiveram juntos no final da tarde, antes de Temer participar de um jantar com governadores do PMDB no Palácio do Jaburu.

Depois de o vice não comparecer à reunião da coordenação política pela manhã, Dilma telefonou para Temer e pediu para que ele convocasse os líderes da Câmara para tratar da pauta de votações da semana. Deputados foram chamados de última hora para o encontro na vice-presidência, do qual também participaram os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Eliseu Padilha (Aviação Civil).

Após essa reunião, Dilma e Temer estiveram juntos no Palácio do Planalto. A expectativa é que o vice defenda o aumento da Cide sobre a gasolina como uma das formas de ampliar a arrecadação durante o jantar com os peemedebistas.

O clima de apreensão no governo em relação às movimentações de Temer aumentou depois de o vice dizer, na semana passada, que a presidente não conseguiria permanecer no cargo se o governo continuasse tão mal avaliado pela população.

No domingo, diante do mal estar causado pelas declarações, a assessoria de Comunicação da Vice-Presidência divulgou uma nota descartando qualquer movimento de conspiração de Temer contra Dilma.  O gesto foi bem-recebido por ministros palacianos, que têm adotado o discurso de que confiam no peemedebista e não acreditam que ele possa vir a apoiar um eventual pedido de impeachment da presidente. 

Apesar de ainda não haver uma estratégia traçada, há consenso entre os auxiliares da presidente que o melhor caminho agora é a reaproximação com o vice. Com isso, esperam impedir que o PMDB desembarque do governo, o que deixaria a petista ainda mais isolada.

Na semana passada, Dilma ouviu esse conselho inclusive do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na ocasião, ele defendeu que se o governo perder o apoio do PMDB, o desfecho da crise pode se tornar imprevisível.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffMichel Temercrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.