Dilma e Serra exploram debate no horário eleitoral

Os programas do horário eleitoral desta tarde dos presidenciáveis do PT, Dilma Rousseff, e do PSDB, José Serra, apostaram na participação dos dois no debate de ontem da Rede Record. Tanto Dilma quanto Serra disseram que venceram o debate.

AE, Agência Estado

26 de outubro de 2010 | 15h48

Na abertura do programa de Dilma, o tucano teve direito de resposta e disse que a propaganda da petista foi punida por mentir. Depois disso, a propaganda de Dilma exibiu a participação dela no debate, com destaque para os trechos em que ela falou do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e de seus projetos, com críticas ao adversário tucano. "O Serra não conhece o Nordeste."

Ainda nas críticas, a petista falou do episódio envolvendo o engenheiro da Dersa Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto. Ela afirmou que o tucano estava devendo explicações sobre este caso e sobre a denúncia publicada na edição de hoje do jornal Folha de S.Paulo, segundo a qual os consórcios vencedores do processo de licitação para a construção de lotes da linha 5 (lilás) do metrô na capital paulista já teriam sido escolhidos seis meses antes.

No fim do programa, o foco foi a população feminina, maioria do eleitorado brasileiro. "Estou preparada para ser a primeira mulher presidente do Brasil", disse Dilma. Em seguida, foi exibida sua biografia e mostrado que as mulheres ocupam um grande espaço em vários segmentos do mercado de trabalho. "Estou aqui para dar continuidade às conquistas do governo Lula", disse ela. Para fechar o programa, foi exibida a mais recente pesquisa Vox Populi, com a liderança da petista na corrida ao Palácio do Planalto.

O programa de José Serra também teve foco no debate de ontem na Rede Record e destacou o desempenho do tucano, dizendo que ele superou a adversária e apresentou muitas propostas. Além de dizer que ampliou os empregos na área da saúde, o tucano criticou a petista, dizendo que no futuro é preciso inverter a tendência que o atual governo (de Lula) e Dilma seguiram e que resultou na mais alta taxa de juros praticada no mundo e na menor taxa de investimento governamental.

Em outro trecho do debate, Serra disse que, se eleito, vai trabalhar com o objetivo de "desmatamento zero" na Amazônia. "Fizemos uma lei de mudanças climáticas, considerada a melhor do Hemisfério Sul", destacou. Nas críticas à gestão petista, foram exibidas imagens de usinas de biodiesel abandonadas.

Outras críticas exibidas no programa de Serra tiveram como foco a crise nos aeroportos brasileiros. "Há 13 aeroportos congestionados no Brasil", afirmou. Ao falar da sua proposta de criação do Ministério da Segurança, defendeu uma guarda nacional "para tomar conta das fronteiras, que estão soltas, frouxas, pois entram armas e drogas".

No fim do programa, Serra disse que é preocupante o fato de o governo Lula dar dinheiro ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). "O MST, que declarou apoio a Dilma, não faz só ocupações, faz destruições." Serra citou ainda o escândalo de tráfico de influência supostamente envolvendo a ex-ministra-chefe da Casa Civil Erenice Guerra, sucessora de Dilma no cargo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.