Dilma e os futuros ministros conversaram sobre metas

A presidente Dilma Rousseff esteve reunida nesta quinta-feira por quase três horas no Palácio da Alvorada com os futuros ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa; além do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, que permanecerá no cargo. Nesse almoço de trabalho não estavam presentes os atuais ministros da Fazenda, Guido Mantega, e do Planejamento, Miriam Belchior.

TÂNIA MONTEIRO, Estadão Conteúdo

27 de novembro de 2014 | 18h38

A presidente e os futuros ministros conversaram sobre metas e a forma da apresentação oficial dos novos titulares da equipe econômica, em cerimônia no Planalto. Nessa reunião foi acertado também qual seria o discurso de cada um na cerimônia que seria realizada logo depois, no Palácio do Planalto, de anuncio oficial da nova equipe econômica para o segundo mandato de Dilma.

A partir de agora, Levy e Barbosa vão começar a trabalhar nas salas destinadas a eles no terceiro andar do Planalto. Joaquim Levy já assumiu o seu posto e ocupou sua cadeira no Planalto. A partir de amanhã, eles começam a fazer reuniões com técnicos do governo, de vários setores, e darão início a exames mais detalhados das contas publicas, para a partir de então estudar propostas para a realização de ajustes. A ideia inicial é que as reuniões com os técnicos serão feitas nos ministérios, não no Planalto.

Neste período de transição, o Planalto quer evitar que os novos ministros concedam entrevistas ou falem sobre os trabalhos que estão desenvolvendo, a não ser que haja uma determinação da presidente Dilma Rousseff.

De acordo com fontes do Planalto, ainda não houve definição dos nomes dos comandantes dos bancos públicos. Depois de terem sido confirmados, os novos ministros poderão disparar os convites para as pessoas que integrarão suas equipes. Durante a transição, Levy e Barbosa farão um pente-fino nas contas publicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.