Dilma é mais forte do que eu para enfrentar doença, diz vice

Alencar, que também trata um câncer, diz esperar que a ministratenha serenidade para enfrentar tratamento

Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2009 | 19h15

O vice-presidente José Alencar disse nesta terça-feira, 28,  que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, tem mais força do que ele. "Ela tem muito mais força do que eu. Primeiro porque dizem que mulher é muito mais forte que o homem, especialmente em casos de saúde. Segundo, porque ela tem demonstrado isso", afirmou Alencar, depois de lembrar que o câncer da ministra Dilma foi extirpado.

 

Após participar de solenidade no Ministério da Justiça, Alencar disse ainda que espera que a ministra Dilma tenha serenidade para enfrentar o tratamento e a doença. "A gente sempre tem de encarar as coisas com serenidade e ela tem serenidade e persistência e vai contar com o apoio e com a oração de todos os brasileiros para que ela vença essa dificuldade", comentou o vice-presidente ao lembrar que contraiu a doença em 1987, portanto, há 22 anos e que o seu câncer foi muito mais agressivo.

 

"Com relação ao caso dela, eu tenho bastante experiência de câncer. o meu primeiro caso foi em 87. Desde aquele primeiro momento, o tipo de câncer que eu tive era muito mais pesado, mais perigoso do que esse. Esse, pelo que os médicos ensinam, é absolutamente controlável. E falaram que ela está curada. Esse tratamento a que ela vai se submeter é normal para que haja um cuidado maior, mas o câncer foi extirpado", disse.

 

Alencar reiterou que todos estão orando para que ela vença bem este problema e avisou que o trabalho ajuda a vencer a doença. "Ela vai aumentar o ritmo (de trabalho). O trabalho ajuda, o trabalho dá motivação, e ela tem muita coisa pela frente, especialmente com o que diz respeito ao PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e é muito importante que ela vá avante com o trabalho dela", completou.

 

O vice-presidente foi questionado ainda sobre a propaganda política do PPS, que fala do risco do atual governo fazer o confisco dos recursos poupança. Segundo Alencar, isso é "uma besteira" e este governo jamais faria isso. "Pode tirar isso da cabeça porque isso não existe. Até perguntar sobre isso é errado porque quando alguém pergunta sobre isso é porque está admitindo uma besteira desta", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.