Dilma e Lula veem quadro eleitoral incômodo para Haddad

Apesar de crescimento do petista nas pesquisas de intenções de voto, avaliação é que Russomanno (PRB) consolidou apoio, inclusive nos redutos do PT

O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2012 | 03h04

Reunidos nessa quarta-feira, 5, em São Paulo, a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discutiram a situação do PT nas eleições municipais e avaliaram que, apesar da recente subida nas pesquisas, a situação de Fernando Haddad ainda é desconfortável. Segundo integrantes do Palácio do Planalto, eles se dizem preocupados com Celso Russomanno (PRB), que na opinião dos dois já tem intenção de voto consolidada, inclusive em redutos petistas na periferia.

Dilma desembarcou nessa quarta em São Paulo com dois objetivos: discutir a conjuntura com o padrinho político e antecessor e gravar sua participação nos programas de TV do candidato petista em São Paulo. As imagens da presidente devem ser usadas na propaganda de Haddad já nos próximos dias. Não está descartada a participação de Dilma em pelo menos um evento público em São Paulo, ainda no 1.º turno.

A ideia da presidente era passar o dia em São Paulo discretamente. A divulgação da agenda extraoficial - revelada ontem em reportagem do Estado - desagradou à Dilma, de acordo com auxiliares próximos. Seus assessores passaram o dia negando que ela tivesse gravado para Haddad.

Dilma passou três horas com Lula na sede da Presidência em São Paulo. O encontro começou às 13h15. Lula deixou o local e Dilma ainda manteve sua agenda privada até o fim da tarde, quando voltou para Brasília.

A assessoria de imprensa de Dilma informou que ela também tratou de assuntos da Presidência da República durante sua passagem por São Paulo nessa quarta.

O PT quer a presença de Dilma nas disputas mais acirradas em capitais importantes estrategicamente para o projeto político do partido. Lula assumiu na prática a coordenação das campanhas do PT e quer dividir com Dilma o papel de cabo eleitoral. Além de São Paulo, a presidente já mostrou disposição de participar da campanha de Belo Horizonte, onde é fiadora da candidatura de Patrus Ananias (PT) contra Marcio Lacerda (PSB), candidato do partido que é aliado nacional e agora se tornou adversário local na capital de Minas Gerais.

Marta na TV. A ex-prefeita de São Paulo e senadora do PT Marta Suplicy apareceu nessa quarta pela primeira vez na propaganda de TV, tanto nas inserções durante o dia quanto no horário eleitoral do período da noite, para reforçar a campanha de Haddad.

Na peça que é veiculada durante a programação normal das emissoras, Marta defende a proposta do Bilhete Único Mensal, uma das principais apostas do plano de governo de Haddad. "Vai mudar a realidade do transporte em São Paulo", diz. Segundo Marta, ela também enfrentou muita resistência quando tentou adotar o Bilhete Único em 2004.

No programa de Haddad da noite, dedicado ao tema habitação, a ex-prefeita disse que o candidato do PT vai fazer mais moradias na cidade porque hoje conta com mais dinheiro no orçamento e porque contará com recursos do governo federal.

Marta, que administrou a cidade entre 2001 e 2004, afirmou também que construiu mais moradias do que o ex-prefeito e candidato tucano José Serra e seu sucessor, Gilberto Kassab (PSD). "Em quatro anos construí mais moradias do que Serra e Kassab em quase oito anos", disse.

A senadora comparecerá a uma carreata ao lado de Haddad nesta sexta-feira, 7, no M'Boi Mirim, zona sul da capital. Esse será o primeiro evento de rua da qual vai participar, desde a semana passada, quando aceitou entrar na campanha do petista. Durante dez meses, Marta boicotou a campanha - ela pretendia disputar Prefeitura neste ano. / JOSÉ MARIA TOMAZELA, TÂNIA MONTEIRO, BRUNO LUPION e ISADORA PERON

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.