Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Dilma e Lula discutem "programa da volta" com eixos para o governo

Em almoço nesta quarta com o ex-presidente no Palácio da Alvorada, petista foi aconselhada a aumentar o tom dos ataques à condução da economia

VERA ROSA, O Estado de S. Paulo

06 de julho de 2016 | 21h35

BRASÍLIA - A presidente afastada Dilma Rousseff prepara uma Carta ao Povo Brasileiro, batizada por ela mesma de “programa da volta”, na qual vai prometer um novo eixo para o governo, caso retorne ao Palácio do Planalto, e fará críticas à política econômica executada pelo presidente em exercício Michel Temer.

Em almoço nesta quarta-feira, 6, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com os ex-ministros Jaques Wagner e Ricardo Berzoini, no Palácio da Alvorada,  Dilma foi aconselhada a aumentar o tom dos ataques à condução da economia, sob o argumento de que o chamado Plano Temer levará ao agravamento da recessão.

Lula chegou a Brasília nesta quarta-feira para retomar as articulações políticas contra o impeachment de Dilma. O julgamento que pode cassar o mandato da presidente ocorrerá no plenário do Senado entre 22 e 26 de agosto. Ainda nesta quarta-feira, o ex-presidente participará de um jantar com senadores aliados.

“Nós decidimos que precisamos melhorar a comunicação entre nós”, afirmou o senador Roberto Requião (PMDB-PR), entusiasta da proposta de um plebiscito popular para a convocação de novas eleições presidenciais. "Sou amigo do Temer, mas o que ele está fazendo não dá."

Embora até petistas considerem improvável a chance de Dilma voltar ao Planalto, a ideia é mostrar que ninguém jogou a toalha. Na tarde desta quinta-feira, por exemplo, a presidente afastada terá um encontro, no Alvorada, com  presidentes do PT, do PC do B e do PDT e outros representantes das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. Ali começará a ser alinhavada a Carta ao Povo Brasileiro às avessas.

Em 2002, quando Lula concorreu pela primeira vez ao Planalto, a carta compromisso tinha o objetivo de acalmar o mercado. Quatorze anos depois, o PT cobra de Dilma que apresente um compromisso público sobre o rumo de seu governo se o impeachment for derrotado, conforme resolução política aprovada pelo Diretório Nacional do partido em 17 de maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.