Dilma: é impossível separar minha trajetória da de Lula

Em viagem a Portugal, a presidente da República, Dilma Rousseff, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fizeram questão de demonstrar que estão mantendo um excelente relacionamento. Depois de conceder uma entrevista na qual elogiou Lula, Dilma encontrou-se com o ex-presidente no saguão do hotel no qual estão hospedados em Coimbra. "Vê se a gente está com cara de estar brigados aqui?", perguntou Lula, ao abraçar a presidente Dilma e dar-lhe um beijo, posando para a imprensa.

TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

29 de março de 2011 | 19h11

Pouco antes da demonstração de bom relacionamento à imprensa, logo depois que havia chegado ao hotel, Lula disse que não havia nenhum mal estar entre os dois. Ressaltou, ainda, que não foi ao almoço com o presidente norte-americano Barack Obama em Brasília "porque achou que não deveria ir". "Não tenho ponteiros para acertar com ela", disse Lula, insistindo que não há qualquer polêmica entre os dois.

Na sequência, ao chegar da visita à Universidade de Coimbra, foi a vez da presidente Dilma falar das boas relações que mantém com seu antecessor. "O mal estar é de vocês. Eu e o presidente Lula não temos nenhum mal estar. Continuamos, sistematicamente, nos encontrando de 15 em 15 dias, até porque sempre temos muito o que conversar", declarou Dilma.

"Vocês podem tentar tudo, mas é impossível separar a minha trajetória da do presidente Lula. Isso não significa que eu e ele sejamos a mesma pessoa. Não somos. Mas somos pessoas que atingiram um patamar de respeito e admiração", disse a presidente. Dilma avisou, ainda, que estava em Coimbra exatamente para participar da "merecida homenagem que será feita amanhã ao presidente Lula com a concessão do título de doutor honoris causa". Para Dilma, "o título é merecido porque o presidente Lula fez uma coisa que a poesia portuguesa dá conta: ele construiu castelos com as pedras do caminho e uma pessoa que fez isso é doutor na construção e nas mudanças do País".

Dilma Rousseff fez questão de dizer que Lula é um estadista "com uma baita experiência e conhecimento do Brasil". "Eu gostaria de saber a troco de quê que não vou compartilhar a minha amizade com ele", provocou. "Vocês não se esqueçam que eu trabalhei com ele durante sete anos diariamente, muitas vezes até altas horas", ressaltou Dilma.

Mais conteúdo sobre:
DilmaLulaPortugalrelacionamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.