Dilma é disputada por 2 rivais em MT

A provável vinda da candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, na quarta-feira, deu um novo ritmo nos bastidores das campanhas majoritárias e tem criado um clima de suspense em Mato Grosso.

FÁTIMA LESSA, Agência Estado

22 de agosto de 2010 | 08h34

Os candidatos a governador Silval Barbosa (PMDB) e Mauro Mendes (PSB) disputam a presença da presidenciável em seus palanques. Silval garante que ela subirá em seu palanque. Mendes assegura que será no dele que ela estará.

Mas a representante do comitê pró-Dilma em Mato Grosso, Silbene Santana de Oliveira, diz que a atividade preparada, uma caminhada pró-Dilma, vai contemplar as duas coligações. "É claro que as duas coligações tentam emplacar agendas específicas. Isso é democrático", observou.

Silbene explicou, contudo, que em sua opinião Silval tem vantagem porque a coligação é unitária e é a "única candidatura majoritária que congrega os mesmos partidos da coligação nacional". Já a aliança de Mendes não é unitária e tem em suas base o PPS, que apoia a candidatura do tucano José Serra ao Palácio do Planalto, e o PV, que tem Marina Silva como presidenciável.

O reforço na posição de Silbene é que Silval é o único candidato que tem vinculado o nome de Dilma e do presidente Lula em seu programa eleitoral na TV. Já Mendes não cita nenhum candidato à Presidência. O presidente estadual do PSB, Valtenir Pereira, no entanto, diz que o partido ainda confia no compromisso firmado nacionalmente.

A pré-agenda de Dilma em Mato Grosso, na quarta-feira, deve começar por Rondonópolis, onde ela passará 40 minutos. Em seguida, iria a Cuiabá, onde realizará a caminhada por uma rua central e de maior movimentação comercial. Tudo será definido em reunião marcada para amanhã. Dilma virá de Campo Grande (MS), onde deve chegar na terça-feira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2010DilmaMT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.