Roberto Stuckert Filho/Divulgação
Roberto Stuckert Filho/Divulgação

Dilma é convidada para visitar a Ucrânia em 2013

Presidente conversou com líder ucraniano sobre cooperação binacional em programa espacial

Lisandra Paraguassu, da Agência Estado

19 de outubro de 2012 | 17h09

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff recebeu nesta sexta-feira, 19, pela manhã um telefonema do presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovych, e acertou uma visita ao país no ano que vem. Na conversa, que durou cerca de 20 minutos, um dos principais assuntos foi a cooperação Brasil-Ucrânia na Alcântara Cyclone Space (ACS), que prevê a construção de um veículo lançador e de um foguete a ser lançado em 2014.

 

De acordo com a assessoria do Planalto, a presidente "assegurou que o governo brasileiro está adotando todas as providências necessárias para alavancar e acelerar o projeto e garantir o lançamento do foguete em 2014". No final do ano passado, depois da visita de Yanukovych ao Brasil, a Ucrânia voltou a investir na ACS. Até aquele momento, o Brasil já havia colocado 42% dos US$ 500 milhões previstos na sua parte, enquanto a Ucrânia havia investido apenas 19%. No total, o projeto deve custar US$ 1,03 bilhão.

 

Os dois presidentes também conversaram sobre uma visita de Dilma à Ucrânia em 2013, com a realização de um fórum empresarial. De acordo com a assessoria do Planalto, a presidente garantiu a Yanukovych que levará "uma grande delegação empresarial". A data ainda será acertada pelas chancelarias dos dois países.

 

Na próxima segunda-feira, a presidente recebe, pela manhã, a visita do ex-presidente francês Nicolas Sarkozy, que vem ao Brasil para uma palestra a convite de um banco. Sarkozy pediu uma audiência com Dilma, que aceitou recebê-lo. Em 2010, ainda apenas como presidente eleita, Dilma foi a Paris e também foi recebida pelo então presidente.

 

Em dezembro, a presidente irá a Paris novamente, dessa vez para uma visita de Estado com o novo presidente, François Hollande.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffUcrânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.