Dilma e Aécio levam à TV críticas mútuas e propostas

Faltando cinco dias para a definição do próximo presidente da República, os dois candidatos, Dilma Rousseff e Aécio Neves, levaram ao ar na TV críticas mútuas e propostas. De um lado, Dilma criticou Armínio Fraga e falou de propostas para melhorar a situação de mulheres vítima de violência. Já Aécio acusou Dilma de entregar o governo pior do que recebeu e lamentou o que chamou de campanha "na lama", composta de mentiras anônimas.

JOSÉ ROBERTO CASTRO, Estadão Conteúdo

21 de outubro de 2014 | 15h15

A coligação "Com a Força do Povo", liderada pelo PT, começou seu programa com ataques a Armínio Fraga, escolhido por Aécio Neves para ser o ministro da Fazenda em caso de um eventual governo do PSDB. Foi repetida uma fala do ex-presidente do Banco Central sobre o papel dos bancos públicos que, segundo Fraga, "precisam ser administrados com padrões muito mais rígidos". Dilma Rousseff apareceu em seguida ressaltando a importância do subsídio das instituições financeiras para os programas sociais do governo.

A parte propositiva do programa de Dilma tratou de políticas para as mulheres. Dilma prometeu criar a "Casa da Mulher Brasileira", um local que dará assistência a mulheres vítimas de violência doméstica. Ela lembrou ainda a sanção da lei Maria da Penha pelo ex-presidente Lula e a regulamentação do trabalho de doméstica, que foram apresentadas como avanços.

No fim, após a apresentação de dados favoráveis ao governo, a presidente questionou o eleitor. "O outro candidato nega tudo isso. Ok, isso faz parte da disputa eleitoral. Mas você acha que o Brasil está melhor ou pior do que antes? Acha que os tucanos fizeram mais do que nós?", indagou a candidata à reeleição.

O contra-ataque de Aécio veio logo no primeiro ato de seu programa. Ele disse que o governo de Dilma fez o Brasil "crescer menos do que a maioria dos países da América do Sul", "ter as maiores taxas de juros do mundo" e "a maior carga de impostos da história".

Em seguida, Aécio falou sobre a campanha no segundo turno e os apoios que recebeu. O tucano lamentou as "muitas agressões" que vem sofrendo e disse que a campanha foi "para a lama". "Não tenho o menor problema em aceitar críticas, faz parte do jogo político. Mas quando a crítica se transforma em ataque e quando esse ataque se transforma em mentira - e mais grave ainda, em mentira anônima - aí a campanha vai para a lama". O tucano disse, porém que está disposto a pagar o preço "para resgatar o que o Brasil tem de melhor".

No final, o programa mostrou obras da transposição do Rio São Francisco, com canais inacabados e uma repórter caminhou por um canal sem água. "Preste atenção no que Dilma falou no debate", dizia um locutor antes de a candidata do PT aparecer dizendo que as obras do São Francisco estavam "em pleno vapor".

Moradores da região reclamaram do atraso nas obras e o aumento nos gastos previstos - de R$ 4 bilhões para R$ 8,2 bilhões - foi criticado. "A promessa aqui era para em 2013 estar tudo pronto", afirmou um agricultor de Cabrobó, em Pernambuco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.