Dilma dribla dieta Ravenna e compra doce de leite e vinho no Uruguai

Em passagem por supermercado na capital do país, presidente aproveita para levar alimentos que fogem do rigoroso regime

Rafael Moraes Moura, enviado especial, O Estado de S. Paulo

02 de março de 2015 | 18h44


Montevidéu - Sob um rigoroso regime de dieta, que já lhe garantiu a perda de 15 quilos nos últimos meses, a presidente Dilma Rousseff decidiu fazer uma de suas tradicionais escapadas durante viagens internacionais, driblou a dieta Ravenna e comprou ela mesma doce de leite, queijo e uma garrafa de vinho tinto em um supermercado de Montevidéu no último sábado, 28. O Estado apurou que os itens foram comprados para consumo da própria presidente.

A passagem de Dilma pelo supermercado Devoto, no bairro de classe média Malvin, foi revelada pelo jornal uruguaio "El País". 

Segundo funcionários do Devoto entrevistados pelo Estado nesta segunda-feira, 2, a visita de Dilma - a primeira de um chefe de Estado estrangeiro na história da tradicional rede de supermercado, garantem eles-, durou cerca de 15 minutos e ocorreu sem transtornos. 

A presidente chegou ao local por volta de 21h, quatro horas depois de dois membros da sua escolta pessoal terem feito reconhecimento da área. O movimento estava normal, com poucas filas.

A revelação de quem era a ilustre cliente rodeada de seguranças e de rosto levemente familiar para os uruguaios surgiu quando um funcionário flagrou a petista na seção de laticínios, à procura de doce de leite.

Com a circulação da notícia de que a presidente do Brasil estava fazendo compras como uma cidadã comum - uma postura despojada que remete à figura do ex-presidente José Mujica-, houve burburinho entre o público. Dilma viu sua popularidade ir às alturas, pelo menos entre os clientes do Devoto, e foi bombardeada com pedidos de selfies, todos prontamente atendidos. Depois do assédio, finalmente pediu ajuda para encontrar doce de leite.

Indústria uruguaia. Duas fileiras atrás da seção de laticínios estavam os potes de 970g da marca de doce de leite Conaprole (valor calórico: 64 kcal por porção de 20g) e de 860g da marca Lapataia (62 kcal por porção), ambos acrescentados à cesta de compras da mandatária. A presidente também levou um vinho tinto Viejo H Stagnari, feito com a uva tannat, e um pote de 210g de queijo branco Talarcrem - todos os itens são produtos da indústria uruguaia. 


"Achei ela tão mais magra do que parecia na TV, pensei que era porque a TV engordava as pessoas", comentou uma funcionária que acompanhou a cena e pediu pra não ser identificada. "As pessoas não queriam incomodá-la, mas viram que ela estava simpática posando para fotos e aí todo mundo se animou."

Segundo o Estado apurou, a compra de Dilma ficou na faixa de 1 mil pesos uruguaios (R$ 116) e foi paga pelo chanceler Mauro Vieira, que utilizou cartão de crédito.

Especialistas. Para o nutricionista Aldemir Mangabeira, membro da comissão de ética e fiscalização do Conselho Regional de Nutricionistas da Primeira Região (DF, MT, GO e TO) e mestre em nutrição humana pela Universidade de Brasília (UnB), dos três itens comprados por Dilma, o menos recomendável para uma dieta é o doce de leite.

"Existem doces que são menos açucarados e calóricos. O problema do excesso de açúcar é que ele provoca um pico de insulina e isso gera gordura abdominal. Seria melhor comer um doce diet do que o doce de leite", comentou o nutricionista.

Quanto ao consumo de queijo, o professor destacou que o ideal é se informar sobre o teor de gordura do alimento, que é fonte de cálcio e proteína. Já o álcool traz benefícios pro sistema cardiovascular. "Ela (Dilma) pode consumir moderadamente uma quantidade de vinho. Não existe essa ideia de cortar alimentos", avaliou.

Dependendo da fase em que o paciente se encontra, a Dieta Ravenna pode restringir o consumo de alguns alimentos, como carboidratos refinados, bebida alcoólica e doces. Especialistas que acompanham a dieta esclarecem que não se trata de um "regime de moda", e sim um tratamento médico para emagrecimento, de acordo com a saúde de cada paciente.

"O Método Ravenna baseia-se no tripé Corte-Medida-Distância e consiste no acompanhamento interdisciplinar com o apoio de médico, nutricionista, psicólogo e educador físico. O tratamento permite a perda de peso saudável, efetiva e duradoura, sem medicamentos e sem cirurgias", diz a página oficial do Centro Terapêutico Dr. Máximo Ravenna. 

No sábado, antes das compras às escondidas no supermercado de Montevidéu, Dilma almoçou com Mujica na residência de campo Anchonera. Enquanto o uruguaio encheu o prato de espaguete com almôndegas, a presidente comeu apenas um pedaço de carne do seu prato e ignorou a massa.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma Rousseffdieta RavennaUruguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.