AFP
AFP

Dilma diz ter ficado 'muito satisfeita' com votação de meta fiscal

No Equador para participar da Cúpula da União das Nações Sul-americanas, presidente fala rapidamente sobre aprovação de texto principal do projeto de lei

LISANDRA PARAGUASSU, ENVIADA ESPECIAL, O Estado de S. Paulo

05 de dezembro de 2014 | 00h05


Quito - A presidente Dilma Rousseff afirmou ter ficado "muito satisfeita" com o resultado da votação desta quinta-feira, 4, no Congresso, em que foi aprovada a flexibilização da meta de superávit fiscal. Dilma chegou nesta noite ao Equador, onde participa nesta sexta-feira, 5, da Cúpula da União das Nações Sul-americanas, e alegou cansaço para não dar uma entrevista mais longa. 

A sessão de votação do projeto de lei durou quase 19 horas. Os parlamentares aprovaram o texto principal, mas resta ainda a análise de emendas para a votação ser completamente concluída. A sessao será retomada na terça-feira, 9.

Perguntada porque estava de óculos escuros, a presidente mostrou as olheiras. "Olha, estou com umas olheiras enormes", disse. Negou, no entanto, que tenha ficado acompanhando a votação no Congresso, que só terminou às 5h. "Foram as cinco horas de avião", disse.

Dilma antecipou a chegada a Equador. A previsão era que para as 20h, horário local, 23h em Brasília, mas foi mudada na manhã de hoje para três horas antes. A presidente teria decidido vir antes para poder descansar. Dilma e Evo Morales, da Bolívia, foram os únicos chefes de Estado a não participarem da primeira parte da Cúpula, em Guayaquil, onde houve a troca da presidência da Unasul.

A presidente ficará por menos de 24h na capital equatoriana. A previsão é que participe de cúpula de presidentes, da inauguração do novo prédio da Unasul e vá embora logo depois da foto oficial, sem participar do almoço.

Também está previsto um encontro bilateral com a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, em horário ainda não definido.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma Rousseffmeta fiscalEquador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.