Dilma diz que País precisa 'fazer mais' por educação

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira, durante evento em Ponta Grossa (PR), que o Brasil ainda precisa fazer muito para ter saúde e educação de qualidade. Segundo ela, mesmo com o aumento do PAB (Programa de Atenção Básica) para R$ 3 por pessoa, "ainda precisamos fazer muito mais", disse. Na área da educação, a presidente afirmou que o governo já ampliou o número de universidades e escolas técnicas no Brasil, mas ponderou que ainda é preciso fazer mais para "esse País ser uma nação desenvolvida".

CARLA ARAÚJO E GUILHERME WALTENBERG, Agência Estado

16 de julho de 2013 | 14h26

"Precisamos assegurar mais e melhores creches para igualar as oportunidades no Brasil", disse. Segundo Dilma, o governo tem que garantir ainda que as crianças saibam ler, interpretar e calcular na idade certa. "Temos que assegurar que toda criança entre 6 e 8 anos saiba manejar a leitura, a interpretação e a operação aritmética simples", disse. "Isso é condição para formar no futuro bons técnicos e é a condição de futuro do Brasil."

De acordo com a presidente, em países desenvolvidos, para cada universitário existem dez técnicos bem remunerados. "No Brasil estamos muito aquém dessa relação", afirmou. "Esse País pode ser uma das grandes potências, mas precisa garantir melhor educação", reforçou.

Dilma lembrou ainda dos pactos que fez com governadores e prefeitos. "Fiz pactos pela ética na política, para que o dinheiro público não se desvie", disse. A presidente participou da cerimônia de entrega de novas moradias do Programa Minha Casa Minha Vida no Estado do Paraná, em Ponta Grossa. Foram entregues 1.438 unidades habitacionais, além de 42 máquinas retroescavadeiras.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilmasaúdeeducação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.