Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Dilma diz que não tem “nenhum temor” da conduta dos senadores durante sua defesa

Presidente afastada se diz vítima de ‘bullying’ e vai pessoalmente apresentar argumentos contra o impeachment no plenário da Casa, no dia 29

Carla Araújo, O Estado de S. Paulo

17 de agosto de 2016 | 21h39

Brasília – A presidente afastada Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira, 17, que a especulação em torno da sua ida ou não ao Senado para fazer a sua defesa foi o “último bullying” que sofreu e ressaltou que não tem receio de que os parlamentares a constranjam durante sua passagem pelo Congresso.

“O ultimo bullying é que eu não iria no Congresso falar diante dos senadores. Errado. Eu vou ao congresso e falarei aos senhores senadores com o respeito que eles merecem”, disse, durante Encontro com Movimentos de Mulheres no Palácio da Alvorada.  “E em relação a conduta dos senadores não tenho nenhum temor. Acredito que diante dos olhos do mundo será importante que  o Senado Brasileiro honre sua tradição histórica”, completou a presidente.

Um dia após ler a sua mensagem aos senadores e ao povo brasileiro, a assessoria de imprensa de Dilma confirmou que ela havia decidido fazer pessoalmente a sua defesa.

Conforme revelou a Coluna do Estadão, Dilma já está redigindo o seu pronunciamento e no Senado terá a opção de apenas discursar e se retirar da sessão. O julgamento final do impeachment começa no dia 25 e a previsão é que a presidente afastada ao Senado no dia 29.

Carta. Nesta terça, 16, durante a leitura da carta, Dilma defendeu a convocação de um plebiscito para encurtar o seu mandato e antecipar as eleições de 2018, pregou um pacto pela unidade nacional e disse que sua deposição seria um “inequívoco golpe”. Dilma se definiu como “honesta e inocente”, admitiu erros e afirmou não ser legítimo afastá-la pelo “conjunto da obra”.

“Não é legítimo, como querem os meus acusadores, afastar o chefe de Estado e de governo pelo “conjunto da obra” (...). Por isso, afirmamos que, se consumado o impeachment sem crime de responsabilidade, teríamos um golpe de Estado”, disse a petista. “O colégio eleitoral de 110 milhões de eleitores seria substituído, sem a devida sustentação constitucional, por um colégio eleitoral de 81 senadores. Seria um inequívoco golpe seguido de eleição indireta.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.