Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Dilma diz que não haverá reforma política sem plebiscito

Candidata do PT evita se posicionar sobre proposta de mandato de cinco anos sem reeleição, defendida por seus adversários

MARIANA SALLOWICZ E LUCIANA NUNES LEAL, Estadão Conteúdo

15 de setembro de 2014 | 19h25

Em resposta à candidata do PSB, Marina Silva, que prometeu uma "nova política", a presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) defendeu a valorização dos partidos. "Supor uma democracia sem partidos políticos é uma invenção", afirmou. Dilma insistiu na realização de consulta popular para promover as mudanças. "Não faremos reforma política sem um plebiscito", disse.

A presidente evitou se posicionar sobre a proposta de Marina e do candidato do PSDB, Aécio Neves, de fim da reeleição, com cinco anos de mandato. "Tem gente querendo que o povo só vote de cinco em cinco anos. Vai coincidir mandato ou não vai? Sem discutir isso não modelamos a reforma que queremos", afirmou, em entrevista coletiva após participar do lançamento do livro "Um País Chamado Favela", de Renato Meirelles e Celso Athayde, na Central Única das Favelas (Cufa), em Madureira (zona norte), no Rio.

Durante o seu discurso na Cufa, Dilma exaltou feitos de seu governo voltados para a camada mais pobre da população. "Não fizemos aeroportos nem ampliamos por causa da Copa. Precisamos de aeroporto porque o pessoal da favela agora pode viajar de avião", disse.

No tema da educação, afirmou que "é obrigação do Estado oferecer creche de qualidade para as crianças terem as mesmas oportunidades". O tema do pré-sal voltou a ser abordado. "Vamos transformar riqueza que não é perene (pré-sal), em permanente, a educação", afirmou ela em referência a lei que destina 75% dos royalties do petróleo para a educação e 25% para a saúde.

Outro ponto abordado pela presidente foram as ações voltadas a micro e pequenos empreendedores. "Reduzimos em 40% os impostos, unificamos (os impostos) e demos crédito", afirmou. No discurso, Dilma também criticou a intenção dos adversários de extinguir ministérios como a Secretaria da Micro e Pequena Empresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.