Romildo de Jesus|Futura Press
Romildo de Jesus|Futura Press

Dilma diz que governo Temer está desmontando as conquistas do país

A presidente afastada, que esteve em Salvador na tarde desta quinta-feira, 16, para receber o título de cidadã baiana, não poupou adjetivos à atual administração federal: 'Ilegítimo, interino, provisório, usurpador'

Heliana Frazão, Especial para O Estado

16 de junho de 2016 | 17h11

SALVADOR- Sem fazer referências ao fato de o presidente Michel Temer ter sido acusado de pedir recursos ilícitos conforme delação premiada do ex-diretor da Transpetro, Sérgio Machado, a presidente afastada Dilma Rousseff não economizou nos adjetivos à atual administração federal. Dilma chamou o governo Temer de ilegítimo, interino, provisório, usurpador e da turma dos sem voto, na tarde desta quinta-feira, 16, quando esteve em Salvador para receber o título de cidadã baiana, conferido pelo deputado Rosemberg Pinto (PT).   

Ao discursar no plenário da Assembleia Legislativa da Bahia, Dilma afirmou que o governo Temer está promovendo um verdadeiro desmonte de conquistas obtidas nos últimos anos de gestão petista, valendo-se de programas que não passariam pelas urnas, porque ninguém votaria.

Segundo Dilma, programas sociais como as cotas e o Bolsa-Família estão em risco. "Sempre que falam que o programa tem que ser focado, que tem que pagar só para 5% das famílias, tem na base disso um preconceito de que quem recebe está enganado e fingindo que precisa. É um preconceito forte contra os pobres", disse, lembrando que as crianças são as principais beneficiadas com o Bolsa Família e que o programa é uma complementação de renda.

Ela se disse preocupada também com o Minha Casa Minha Vida, bem como com outras políticas sociais e de reparação criadas no seu governo, porque “o governo provisório, interino está querendo acabar com a faixa 1 do programa”, que atende à faixa de população de menor renda, que recebem até R$ 2 mil. “ É desvirtuar, ferir de morte o programa que foi feito para atender justamente a esses”, salientou.

Dilma também criticou a redução no número de ministérios, assim como o limite dos gastos de saúde e educação. “Estão desmontando tudo e tentando esconder que deram um golpe”, disse ela.

A presidente recorreu a uma metáfora para reafirmar a pratica do golpe contra a sua administração. Disse que o golpe de hoje se diferencia da forma usada pelos militares, no período da ditadura, quando prevalecia a violência, como um machado que corta uma árvore.

“O golpe de agora é como uma arvore sendo atacada por parasitas implacáveis que querem tirar dela a sua seiva, por isso temos que continuar lutando”, disse, acrescentando que somente com a prevalência da democracia será possível extirpar todas a raízes dos parasitas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.