Dilma diz que falar de vice é 'pôr carroça na frente dos bois'

Ministra voltou a se esquivar de responder se o PT aceitará a indicação de Temer em uma eventual chapa

Evandro Fadel, de O Estado de S.Paulo,

06 Fevereiro 2010 | 20h04

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, evitou qualquer comentário sobre a possibilidade de o recém reeleito presidente do PMDB, deputado federal Michel Temer (SP), vir a ser o vice em uma chapa liderada por ela à Presidência da República. "Não ponho a carroça na frente dos bois", afirmou ela neste sábado, em entrevista coletiva antes de reunião com prefeitos paranaenses no campus da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. 

Veja também:

linkTemer é reeleito e se fortalece para chapa com Dilma

link Meirelles reitera silêncio sobre candidatura

linkJustiça cassa liminar que impedia convenção

link'Temer será acolhido', garante assessor de Lula

link Meirelles reitera silêncio sobre candidatura

linkJustiça cassa liminar que impedia convenção

link'Temer será acolhido', garante assessor de Lula

 

Cotado para ser o indicado do PMDB em uma eventual chapa com Dilma, Temer se cacifou ao cargo neste sábado, ao ser reeleito presidente do partido.

Segundo a ministra, a questão somente será colocada quando os partidos tiverem discutido internamente. "Não posso discutir quem será vice ou deixará de ser em respeito ao PT. O PT vai fazer um congresso e, quando tiver um pré-candidato, será possível avançar, mas não tanto quanto alguns vão querer", disse, em uma referência ao IV Congresso Nacional do PT, que deve consagrar, no próximo dia 20, sua pré-candidatura à presidência. "É um processo de diálogo, as pessoas vão conversar e tudo tem seu tempo."

Em relação ao documento sobre as diretrizes do PT a ser discutido no congresso do partido, que prevê fortalecimento do Estado, a ministra destacou que há uma "relação virtuosa entre o papel do Estado e do setor privado". "O fundamentalismo que quer uma coisa ou outra está ultrapassado, foi enterrado pela crise financeira internacional", afirmou. Segundo ela, o que resultou claramente da crise é que "não é possível mais o fundamentalismo de que o Estado acabou e reina tranquilamente só o mercado".

De acordo com Dilma, se o Brasil não tivesse bancos públicos e um Estado fortalecido, a crise seria sentida de forma mais grave. "O setor privado teria sofrido de forma séria os efeitos da crise, teria demitido muitos trabalhadores", acentuou. "O Estado brasileiro segurou o setor automotivo."     A ministra afirmou ainda que, hoje, "o setor privado não pode abrir mão do Estado", mas voltou a reforçar a necessidade de união entre os dois setores. "É a combinação que faz o Brasil sair da situação que estava em 2003 para sermos cotados hoje para ser a quinta potência (mundial)."

Mais conteúdo sobre:
eleicoes 2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.