Dilma diz que combate à pobreza será luta 'mais obstinada' de seu governo

Petista fez juramento no Congresso e se tornou a primeira mulher a presidir o país.

BBC Brasil, BBC

01 de janeiro de 2011 | 16h39

Público aguardou cortejo de Dilma Rousseff em Brasília

Em seu primeiro discurso como presidente do Brasil, a petista Dilma Rousseff afirmou que "a luta mais obstinada" de seu governo será a erradicação da miséria no país.

O pronunciamento foi feito no Congresso Nacional no início da tarde deste sábado, logo após Dilma ter sido empossada como a primeira mulher presidente do Brasil.

"A luta mais obstinada do meu governo será pela erradicação da pobreza extrema e a criação de oportunidades para todos. Uma expressiva melhora ocorreu nos dois mandatos do presidente Lula, mas ainda existe a pobreza a envergonhar e a impedir a nossa afirmação plena como povo desenvolvido", disse Dilma.

Antes, em cerimônia no Congresso Nacional, Dilma e seu vice, Michel Temer, prestaram juramento à Constituição e foram declarados empossados pelo presidente do Senado, José Sarney.

Além de Dilma, Temer e Sarney, compunham a mesa o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cesar Peluzo, e outros congressistas.

Mulher

Primeira mulher presidente, Dilma afirmou que a sua eleição "dignificava cada mulher brasileira".

"(A eleição) vem abrir portas para que muitas mulheres possam ser presidentas, e para que, no dia de hoje, todas as mulheres brasileiras sintam orgulho de ser mulher", disse Dilma.

No discurso, a petista também elogiou seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva.

"Sob sua liderança, o povo brasileiro fez travessia para outra margem de nossa história. Minha missão é consolidar essa passagem".

Segundo a presidente, o governo Lula, no qual atuou como ministra desde 2002, reduziu "uma histórica dívida social, resgatando milhões de brasileiros da tragédia da miséria e ajudando milhares a alcançar a classe média".

"Mas num país com a complexidade do nosso é preciso querer mais, inovar mais, buscar novos caminhos", disse.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
dilma rousseffpresidenciadilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.