Dilma diz que apresentação do programa de governo mais radical 'foi um erro' do PT

Em entrevista à rádio Tupi, petista falou do registro de sua candidatura e ainda criticou o candidato do PSDB, José Serra

Felipe Werneck, RIO

09 Julho 2010 | 13h52

Convicção. "Falo dos meus erros. Quem acha que não erra é um presunçoso", disse Dilma.

 

 

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, afirmou nesta sexta-feira, 9, em entrevista à rádio Tupi, que "foi um erro" do PT a apresentação de um programa de governo considerado mais radical, depois substituído, no registro de sua candidatura.

 

Ela evitou dizer que assinou todas as páginas do documento, argumentando que apenas rubricou, sem ler o que estava escrito. A primeira versão registrada reproduzia resolução aprovada em fevereiro, no congresso nacional do PT.

 

No mesmo dia, foi substituída por um novo documento. "Eu não assinei documento nenhum, porque não tem documento a ser assinado. Eu rubriquei páginas, eu não olhei. Não achei que iam colocar o outro programa, o de fevereiro. Tinham de botar o que nós tínhamos acertado em junho", afirmou Dilma.

 

A petista criticou o candidato do PSDB, José Serra. "Aliás, os meus adversários, o meu adversário, ele sistematicamente erra", disse. Dilma não quis dar exemplo dos erros e alegou que isso não era sua responsabilidade. "Falo dos meus erros. Quem acha que não erra é um presunçoso. O que temos de fazer é o seguinte: quando erramos, temos de falar que foi um erro. Só isso. E tomar providências para não errar daquele jeito outra vez", afirmou.

 

Depois da entrevista, Dilma foi a um almoço na casa de Lily Marinho, viúva do jornalista e empresário Roberto Marinho. O compromisso seguinte é um encontro com o governador Sérgio Cabral (PMDB), que disputa a reeleição.

Mais conteúdo sobre:
Dilma Rousseff política PT

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.