Dilma diz que abordagem a Lobão Filho será investigada

Dilma diz que abordagem a Lobão Filho será investigada

Para a presidente, "uma das coisas que temos de ter garantia, durante processos eleitorais, é que órgãos governamentais não sejam usados em proveito de um ou outro candidato"

TÂNIA MONTEIRO E RICARDO DELLA COLETTA, Estadão Conteúdo

26 de setembro de 2014 | 20h41

A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta sexta-feira, 26, uma investigação "com rigor e rapidez" da ação da Polícia Federal que vasculhou o avião e bagagens do candidato do PMDB ao governo do Maranhão, senador Edison Lobão Filho. Ela avisou que foram tomadas "todas as providências" para investigar o ocorrido. Para a presidente, "uma das coisas que temos de ter garantia, durante processos eleitorais, é que órgãos governamentais não sejam usados em proveito de um ou outro candidato", pregando "plena isenção da polícia federal". E emendou: "polícia não pode perseguir quem não gosta ou proteger quem gosta. O comportamento tem de ser isento".

O episódio causou grande mal-estar com a cúpula do PMDB e o vice-presidente, Michel Temer, classificou o episódio como "inaceitável", exigindo providências do governo. "Faço absoluta questão desta investigação", declarou a presidente, esquivando-se de emitir qualquer juízo de valor sobre o que aconteceu. Questionada sobre se preferia agir com "cautela" em relação a este episódio, a presidente disse que não podia prejulgar. "Se eu disser o que eu penso, eu estaria prejulgando", desabafou Dilma, em tom crítico, mas sem atacar a polícia diretamente.

Lembrada de que a denúncia de existência de grandes quantias com o candidato peemedebista era anônima, Dilma declarou que "nem toda denúncia é tão anônima", avisando que o governo vai investigar, inclusive, "quem é o denunciador anônimo". Para ela, justamente o fato de ser denúncia anônima "cria maior necessidade de investigar quem denunciou e a quem interessava a denúncia". E emendou: "o que não é possível é um ato desses, é acontecer isso no meio de uma eleição. Esse País não é isso mais. Esse País tem uma democracia estruturada que não admite uso de polícia, nem de ninguém, em processos eleitorais. É uma volta atrás se isso se configurar".

Ao destacar que órgãos públicos não podem ser usados em proveito próprio, Dilma declarou que a Polícia Federal não é independente, já que não existem órgãos federais independentes. "O que a PF tem é autonomia para investigar. Autonomia não significa autonomia para cometer coisas incorretas. Autonomia significa autonomia para investigar", disse a presidente ao avisar que nada pode ser feito "ao arrepio da lei".

Ela explicou que não estava acusando a PF de ter agido assim, porque a investigação está em curso, mas avisou que tudo tem de ser feito dentro da legalidade porque "senão cria ente fora do controle". As primeiras informações são de que não havia mandado judicial para a busca aos bens do candidato-senador. Dilma reconheceu, no entanto, que "qualquer órgão integrado por pessoas pode cometer equívocos, pode cometer erros", mas evitou acusar a PF de ter cometido erros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.