Dilma diz em evento que manifestantes 'nunca ralaram'

Presidente se irritou com protestos durante entrega de moradias do Minha Casa Minha Vida no Estado de Tocantins

Leonêncio Nossa, enviado especial, Agência Estado

14 de março de 2014 | 18h45

Araguaína - A presidente Dilma Rousseff se irritou nesta sexta-feira, 14, com um protesto em evento do Minha Casa Minha Vida, em Tocantins, e disse que os manifestantes "nasceram em berço esplêndido" e "nunca ralaram". O evento contava com um grupo de simpatizantes da presidente, que estava na parte da frente do palanque, e um ruidoso grupo de pessoas com cartazes contra a Copa do Mundo e reivindicando moradias.

Durante o discurso da presidente, os manifestantes misturavam vaias, apitos e ainda cantavam o hino nacional. Dilma acabou se irritando com o protesto e fez uma exaltada defesa de sua política social, em especial, o Minha Casa Minha Vida, programa que entregou nesta sexta 1.788 casas para famílias carentes de Araguaína (TO). "Aqueles que não dão importância para as pessoas que não têm casa própria é porque nasceram em berço esplêndido e aqueles que não valorizam o cartão do Minha Casa Melhor é porque nunca ralaram de sol a sol para comprar uma geladeira, um fogão e uma cama", disse Dilma, sob aplausos de políticos do Estado e parte dos moradores e sob vaias dos manifestantes.

A presidente fez um discurso em tom político, repetindo um velho bordão do governo Lula de que, no passado, as pessoas não podiam ter uma casa. Dilma ainda lembrou que o ex-presidente Lula levou um Campus da Universidade Federal de Tocantins para Araguaína.

Antes da presidente falar, o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, deu o tom da campanha do governo para promover a presidente. "Vossa Excelência faz história porque a senhora se preocupou com as pessoas que mais precisam e foi a presidente que mais fez casa e saneamento", disse o ministro, ignorando a prática habitual de lembrar o ex-presidente Lula.

Dilma, durante o evento, não respondeu ao governador do Tocantins, Siqueira Campos, que em seu discurso reclamou do elevado preço da energia no Estado e da falta de investimentos em usinas hidrelétricas e termelétricas.

O evento ocorreu debaixo de uma tenda e, por pouco, não foi cancelado em razão da intensa chuva que caiu à tarde no norte do Tocantins.

Mais conteúdo sobre:
Dilma Rousseffprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.