Dilma diz confiar em Erenice e pede apuração

Candidata afirma que episódio é mais um para tentar desestabilizar sua candidatura

Moacir Assunção, Estado de S. Paulo

11 de setembro de 2010 | 18h53

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, desqualificou nesta sábado, 11, as denúncias de suspeita de tráfico de influência, feitas em reportagem da revista Veja, contra a ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, que a sucedeu no ministério. Dilma, que visitou o vice-presidente José Alencar, internado no Hospital Sírio Libanês, afirmou que a ministra, com quem teria relação apenas profissional, goza até hoje  de sua confiança. "Estou fora do governo há três meses e não tenho acompanhado o dia a dia do ministério, mas tenho certeza de que tudo que foi dito será apurado (referindo-se às denúncias) e, se alguém errou, será punido", disse.

 

 

Veja também:

Erenice Guerra é suspeita de cobrar propina em contratos do governo

'Casa Civil é o centro da maracutaia no Brasil', afirma Serra

Erenice Guerra rebate reportagem e põe sigilos à disposição

Compadre de Lula 'nomeia' nos Correios

 

 

Dilma ressaltou que, em momento algum, a ministra lhe fez algum pedido pessoal quando era secretária-executiva do ministério. Ela afirmou que conhece apenas superficialmente o filho dela, Israel Guerra, acusado de pedir propina a empresários para obter contratos, e não conhece nenhum dos empresários citados na reportagem da revista.

 

 

A candidata respondeu duramente quando foi questionada pelos jornalistas a respeito da declaraçaõ do seu adversário José Serra (PSDB) que afirmou que a Casa Civil era "um foco das maracutaias do governo". "Meu adversário tem perdido todas as estribeiras. Tem feito, sistematicamente, acusações sem provas e levianas. Do jeito que vai, periga passar a eleição visto como um caluniador", comentou.

 

 

Para a petista, o episódio da denúncia contra a ministra - que disse ter encontrado rapidamente em duas cerimônias após sair do governo - somam-se ao escândalo da quebra de sigilos fiscais de tucanos como um conjunto de acusações para tentar desestabilizar sua candidatura. "Eles (os adversários) estão procurando a bala de prata, em busca da bala de prata. Sinto informar que não terão".

 

 

Com relação à ultima pesquisa Datafolha que a coloca 23 pontos à frente de Serra, ela repetiua que as pesquisas apenas refletem um momento. "Não subo em salto alto. Ninguém pode dizer que já ganhou fiando-se em pesquisas, qeu são apenas aferições. A vitória só vem após a apuração dos votos na urna".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.