Dilma diz a Obama que Brasil tentará ajudar Europa

A presidente Dilma Rousseff disse ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nesta terça-feira que o Brasil está trabalhando com outros mercados emergentes para oferecer ajuda às economias europeias, afirmou uma autoridade à Reuters.

WALTER BRANDIMARTE E BRIAN WINTER, REUTERS

20 Setembro 2011 | 22h26

Dilma não deu detalhes no rápido encontro que aconteceu em Nova York entre os dois presidentes, acrescentou a fonte, sob condição de anonimato.

Os comentários de Dilma destacam a vontade do Brasil e de outros países em desenvolvimento para tentar aliviar a crise da dívida na zona do euro antes que os problemas se espalhem pelo mundo. O Brasil já comprou título de dívida europeu e irá tentar coordenar outra ajuda com seus parceiros do Brics, grupo formado por mercados emergentes, em reunião separada em Washington ainda esta semana.

O grupo dos Brics também inclui Rússia, Índia, China e África do Sul.

Dilma e Obama concordaram ainda que a Europa precisa mostrar que tem recursos e vontade política para lidar com seus problemas, disse a fonte.

O secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, devem se reunir em Washington nos próximos dias para continuar a discutir a crise europeia.

Obama e Dilma "sentiram que as discussões mais aprofundadas sobre esses desafios ... são necessárias antes da reunião do G20 em novembro, e eles concordaram que o momento mais apropriado (para essas discussões) será o encontro entre o secretário do Tesouro Geithner e o ministro Mantega em Washington", disse o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, a jornalistas.

Um dos assuntos que pode estar na agenda dessa reunião é a ideia do Brasil de que os grandes países emergentes disponibilizem bilhões de dólares em novos fundos disponíveis ao Fundo Monetário Internacional, como uma forma de ajudar a aliviar a crise na zona euro.

Mantega deverá fazer uma proposta nesse sentido na reunião dos Brics em Washington esta semana, disseram fontes do governo brasileiro à Reuters na segunda-feira.

O encontro entre Dilma e Obama em Nova York durou pouco menos de meia hora, disse Patriota. A presidente parabenizou Obama por seu plano para criar empregos e foi convidada por Obama para visitar os Estados Unidos no início do próximo ano, segundo o chanceler.

Mais conteúdo sobre:
POLITICADILMAOBAMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.