Dilma discute reforma administrativa e corte de ministérios com coordenação política

Reunião no Palácio do Planalto conta com principais integrantes da equipe de governo e com Michel Temer

Rachel Gamarski, O Estado de S. Paulo

21 de setembro de 2015 | 12h50

Brasília - A reunião de coordenação política comandada pela presidente Dilma Rousseff nesta segunda-feira, 21, teve como tema principal a reforma administrativa e o corte do número de ministérios. Antes de anunciar que ministérios serão cortados, a Secretaria de Imprensa da Presidência afirmou que o governo vai conversar com os líderes da Câmara e do Senado. A ação da presidente é uma forma de aproximação com o Congresso, peça-chave na aprovação do pacote fiscal anunciado na última semana.

O Palácio do Planalto informou ainda que a reforma administrativa deve ser anunciada até quarta-feira, 23, assim como o encaminhamento dos ajustes fiscais propostos. Até o momento, as medidas não sofreram alterações e deverão ser encaminhadas ao Congresso da mesma forma com que foram anunciadas.

Durante a reunião, a presidente também discutiu os vetos que serão apreciados pelo Congresso essa semana. A instrução de Dilma é que o governo trabalhe para manter os vetos presidenciais. 

Além da Junta Orçamentária, composta pelos ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil), Nelson Barbosa (Planejamento) e Joaquim Levy (Fazenda), e do vice-presidente Michel Temer, estavam presentes: Aldo Rebelo (Ciência e Tecnologia), Edinho Silva (Secretaria de Comunicação Social), Eduardo Braga (Minas e Energia), Eliseu Padilha (Aviação Civil), Gilberto Kassab (Cidades), Jaques Wagner (Defesa), Miguel Rossetto (Secretaria-Geral), Ricardo Berzoini (Comunicações) e José Eduardo Cardozo (Justiça). Os líderes do governo no Senado, senador Delcídio Amaral (PT-MS), na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), e no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), também estão no encontro com Dilma.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.