Dilma deve saudar aliança PT-PMDB como momento histórico para o País

Petista voa para Brasília a caminho da convenção do PMDB que lançará Michel Temer como vice

Carol Pires / BRASÍLIA, estadão.com.br

12 de junho de 2010 | 15h09

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, já saiu da convenção do PDT em São Paulo e voa neste momento para Brasília, a caminho da convenção do PMDB que lançará o deputado federal Michel Temer (SP) como seu vice na corrida pela sucessão de Lula.

 

O discurso preparado pela equipe da campanha de Dilma para a Convenção Nacional do PMDB diz que a união dos dois partidos é um momento histórico. "Como um rio que se encontra, PT e PMDB unem a tradição da luta democrática com a tradição da luta social", indica o texto.

 

A candidata do PT também saudará grandes lideranças do PMDB, como Ulysses Guimarães e José Sarney, atual presidente do Senado. Sarney também será lembrado em outro momento, quando a petista vai fazer um paralelo entre as conquistas do Brasil desde a redemocratização, da presidência de José Sarney à de Lula. Sarney será saudado como responsável pela condução da transição do País do regime militar para o democrático, e Lula, pelas conquistas sociais e o enfrentamento da crise financeira.

 

A ex-ministra da Casa Civil também agradecerá pelo apoio do PMDB ao governo Lula. Deve citar a contribuição dos peemedebistas que conduziram Ministérios ao longo dos dois mandatos presidenciais petistas. Falará também da ajuda do partido ao PT no Congresso Nacional "nos momentos mais difíceis".

 

Dilma deve chegar em Brasília por volta das 15h30 e seguirá direto para o Centro de Convenções Ulysses Guimarães. O deputado Michel Temer, que deve ser referendado pela maioria dos convencionais, neste sábado, como indicado do partido para compor a chapa, vai fazer um rápido discurso e passar a palavra para Dilma, última oradora do dia, encerrando a festa que celebra a aliança PT-PMDB.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffPMDBPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.