Dilma descarta indicar novos ministros antecipadamente

A candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) disse neste domingo, 7, que, em um eventual segundo mandato, alguns ministros poderão permanecer nos seus atuais cargos, mas outros postos serão renovados. A sinalização ocorre após a péssima repercussão dentro do Ministério da Fazenda provocada por outra declaração de Dilma, na semana passada, de que faria uma "atualização das políticas" e "das equipes" em um novo mandato.

RAFAEL MORAES MOURA E VERA ROSA, Estadão Conteúdo

07 de setembro de 2014 | 14h49

"Meu querido, eu farei uma nova equipe, alguns (ministros) poderão ficar, outros serão renovados", afirmou Dilma neste domingo, em coletiva de imprensa concedida no Palácio da Alvorada após o desfile de Sete de Setembro. "Um governo novo fará uma equipe nova. As pessoas que vão compor essa equipe podem vir do governo anterior, mas é uma nova equipe."

A presidente convidou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para um almoço hoje no Palácio da Alvorada. Mantega teria ficado chateado com a declaração de Dilma na semana passada.

Cadeira

Durante a coletiva, Dilma voltou a dizer que não vai discutir sua futura equipe de governo nem escalar ninguém "nesta altura do campeonato". "Não vou escalar ninguém (agora). Eu não vou indicar ministros antecipadamente, acho que isso é sentar na cadeira antes do tempo. Eu não sento na cadeira, primeiro porque acho que dá azar. A última vez que sentaram na cadeira, não se elegeram", disse Dilma, referindo-se a Fernando Henrique Cardoso na disputa pela Prefeitura de São Paulo em 1985.

A fala da petista também teve outro alvo: o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, que já declarou que o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga será o seu ministro da Fazenda, caso seja eleito. "Vou conversar sobre o meu ministério no dia 1º de janeiro de 2015, caso eu seja eleita. Não vou antecipar para o momento eleitoral. Hoje é dia 7 de setembro, daqui do dia 7 ao dia 1º de janeiro, eu só direi isso", desconversou Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.