Vivi Zanatta e Paulo Liebert/AE
Vivi Zanatta e Paulo Liebert/AE

Dilma deixa hospital e diz que está bem e não sente mais nada

Ministra diz que não deve voltar a Brasília nesta quarta, mas cogita cancelar compromissos deste fim de semana

20 de maio de 2009 | 13h58

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, deixou o hospital Sírio Libanês nesta quarta-feira 20, após se recuperar de fortes dores nas pernas em consequência do tratamento contra o câncer a que é submetida. Dilma negou que as dores tenham relação com o ritmo de trabalho no ministério e cogita voltar a Brasília até amanhã. "Vou ver quando volto para Brasília, hoje ou amanhã", disse. Mas admitiu que pensa em cancelar a agenda do fim de semana.

 

Ela diz as dores foram uma reação à redução brusca da cortisona em seu tratamento. "Cada um reage de um jeito. Eu tenho uma reação forte se tirar a cortisona." Dilma disse que os médicos farão agora uma "sintonia fina nos medicamentos" para que a quantidade de cortisona não caia bruscamente. "Os médicos fizeram os exames e chegaram à conclusão de que era isso e me repuseram (o medicamento) em doses bem menores para fazer o que eles chamam de desmame, ou seja, a retirada lentamente." E continuou: "Ontem foi muito ruim, mas passa. Não tenho algo mais complicado", se referindo às dores.

 

A ministra também criticou quem faz uso político de sua doença. "Acho de muito mau gosto misturar a doença com questões politicas. A população entende que não é adequado", afirmou. Dilma pediu privacidade. "Eu sei que sou uma pessoa pública. Mas, gente, um pouco de privacidade eu tenho direito. Então agradeço a vocês e garanto que sempre vou falar, vocês podem ficar descansados", disse Dilma.

 

 

Ela disse que conversou por telefone com o presidente Lula ontem, às 10h30 da manhã. "Fizemos um despacho básico". Questionada sobre a campanha presidencial de 2010, disse, bem humorada: "Não falo nisso nem amarrada."

 

Dilma admitiu que está usando peruca por causa da perda de cabelos em consequência da quimioterapia. "Estou usando uma peruquinha básica, como vocês podem notar. Quando o cabelo crescer um pouquinho, vou tirar porque é muito chato mesmo."  

 

Dilma estava internada desde a última terça-feira, quando sentiu fortes dores nas pernas. A ministra se trata de um câncer linfático e passou por uma série de exames, entre eles ressonância magnética, que revelaram que as dores eram provocadas por uma miopatia, inflamação nos músculos em razão da quimioterapia a que vem sendo submetida.

 

Texto ampliado às 14h30

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.