AFP PHOTO / EVARISTO SA
AFP PHOTO / EVARISTO SA

Dilma defende diálogo como caminho de construção para políticas públicas

'O primeiro compromisso de um governo é escutar e receber sugestões', disse a presidente durante lançamento da plataforma virtual Dialoga Brasil

VICTOR MARTINS, TÂNIA MONTEIRO E RAFAEL MORAES MOURA, O Estado de S. Paulo

28 de julho de 2015 | 18h17

Brasília - A presidente Dilma Rousseff defendeu o diálogo como caminho de construção para políticas públicas. A fala dela ocorreu durante o lançamento da plataforma virtual Dialoga Brasil, que tenta melhorar a interlocução do governo com a sociedade. "O primeiro compromisso de um governo é escutar e receber sugestões", disse a presidente. "A crítica sempre tem de ser olhada por nós", afirmou.

O evento, que ocorreu no teatro Plínio Marcos em Brasília, contou com a participação de integrantes de movimentos sociais e de apoiadores da presidente Dilma Rousseff e do PT. Com faixas e cantos, a plateia transformou o anúncio da plataforma virtual em um ato de apoio à presidente.

Acompanhadas de ministros e com integrantes de movimentos sociais na plateia, a presidente defendeu as ações e políticas implementadas por seu governo, como o Bolsa Família, o Mais Médicos e o Minha Casa Minha Vida. Sobre o programa de moradia, ela lembrou que foram contratadas 3,750 milhões de unidades, sendo que 2,2 milhões foram entregues - o restante, que ainda não foi entregue, está em construção.

Dilma ainda defendeu ações mais duras contra o racismo e a violência contra as mulheres e, durante todo o seu discurso, quis deixar claro que o governo sabe receber críticas. "Precisamos da crítica, é importante que ela venha... Ninguém que não tentou fazer sabe melhorar", disse a presidente. "Queremos melhorar e só para melhorar com parceria entre governo federal e sociedade", garantiu. Ela ainda afirmou que "programa social, para ser bom, tem de ter qualidade" e chamou a sociedade para participar do governo por meio dessa nova plataforma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.