Dilma cuspiu no prato em que comeu, diz FHC

Tucano reagiu às declarações da presidente de que governo petista 'não herdou nada' da gestão do PSDB

Marcelo Portela, O Estado de S. Paulo

25 de fevereiro de 2013 | 20h17

BELO HORIZONTE - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou nesta segunda-feira, 25, que a presidente Dilma Rousseff é "ingrata" e que "cospe no prato em que comeu". Ele se referia às declarações de Dilma de que o governo petista, iniciado com Luiz Inácio Lula da Silva, "não herdou nada" da gestão tucana. "O que a gente pode fazer quando a pessoa é ingrata? Nada. Cospe no prato em que comeu", declarou, ao ser questionado sobre as declarações de Dilma em evento de comemoração de dez anos de gestão petista no governo federal.

O ex-presidente ainda afirmou que o PT "usurpou" o projeto tucano que começou a ser implantado em seus mandatos. "O que aconteceu no Brasil foi usurpação de projeto. Só que como ele é usurpado, não faz direito. Vai e vem, recua, não tem coragem de dizer que vai privatizar", disparou. "Eles (petistas) tinham duas grandes metas. Uma ligada ao socialismo e outra à ética. De socialismo nunca mais ninguém falou. E ética, meu Deus, não sou eu quem vai falar a respeito do que está acontecendo no Brasil", completou FHC.

O ex-presidente participou de evento promovido pelo PSDB mineiro em Belo Horizonte, intitulado "Minas Pensa o Brasil", considerado o lançamento da candidatura do senador Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência em 2014. Ao lado do parlamentar, FHC afirmou que "não é necessário" lançar a candidatura, mas adiantou que ela está sendo "construída". "Quanto ao que penso do senador Aécio, é conhecido", salientou o ex-presidente, que em dezembro já havia defendido o nome do mineiro para a corrida presidencial.

Diálogo. Aécio Neves evitou falar sobre a própria candidatura, mas respondeu bem humorado sobre as declarações de Ciro Gomes, de que o mineiro, assim como os demais possíveis candidatos na eleição presidencial de 2014 "não têm nenhuma proposta para o Brasil". "O Ciro tem seu estilo e obviamente não vou polemizar com ele. Estou até com saudade das boas conversas que nós tínhamos no passado", disse Aécio, amigo pessoal de Ciro. "Se tiver oportunidade, vou convidá-lo para uma (conversa). Talvez ele se surpreenda com o conjunto de boas ideias que temos para o Brasil, como tínhamos no passado", completou.

O senador também preferiu não se estender sobre a possibilidade de o Ministério Público Estadual (MPE) de Minas reabrir investigação sobre repasses de recursos durante sua gestão no Executivo mineiro à Rádio Arco Íris, que tem como sócios o próprio Aécio e sua irmã Andrea Neves. O caso deve ser decidido nesta terça (26) pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). "Não sou a melhor pessoa para falar dessa questão. Conheço muito pouco disso. Mas acho que as explicações já foram dadas", resumiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.