Dilma cumprimenta Maduro por vitória na eleição presidencial da Venezuela

A presidente Dilma Rousseff telefonou na tarde desta segunda-feira para cumprimentar o recém-eleito presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e manifestar sua satisfação com o clima de normalidade na votação de domingo, afirmou o Palácio do Planalto.

Reuters

15 Abril 2013 | 19h56

De acordo com comunicado, Dilma também disse estar pronta para trabalhar com o novo governo venezuelano. Maduro respondeu, segundo o Planalto, que foi uma disputa acirrada, que demonstrou a vitalidade das instituições e da democracia venezuelana.

Herdeiro político de Hugo Chávez, Maduro foi eleito no domingo com 50,7 por cento dos votos, derrotando o candidato da oposição, Henrique Capriles, que obteve 49,1 por cento, uma disputa mais apertada que o previsto.

Apesar de Maduro ter sido proclamado oficialmente presidente eleito, a oposição venezuelana disse que só reconhecerá o resultado das eleições após uma contagem "voto a voto".

Mais cedo, o chanceler Antonio Patriota afirmou que a eleição de Maduro foi uma "vitória da democracia" e reiterou a intenção do Brasil de estreitar as relações com o país vizinho.

"Em nossa região, consideramos a plena vigência da democracia como um ingrediente essencial para a integração regional e para o aprofundamento das relações em todos os níveis entre o Brasil e os países vizinhos", afirmou Patriota, após encontro com o chanceler da Guatemala, Luis Fernando Carrera Castro, no Palácio Itamaraty, em Brasília.

Patriota disse que a Venezuela é um país estratégico e reafirmou a intenção dos dois países de dialogar sobre investimentos de cooperação em áreas como agricultura, gestão pública, projetos de infraestrutura e comércio.

"Nossa expectativa, como não poderia deixar de ser outra, é de prosseguirmos num caminho de relações cada vez mais estreitas, de uma integração cada vez mais profunda e de um também trabalho que vá mesmo além aqui do nosso entorno sul-americano."

Mais conteúdo sobre:
POLITICAVENEZUELAPATRIOTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.